18 de Fevereiro de 2015 / às 15:04 / em 3 anos

Berlim tem um novo museu, com corpos de mortos

BERLIM (Reuters) - Uma exposição permanente em um museu, mostrando cadáveres preservados e sem pele para revelar a complexidade do corpo humano, abre nesta quarta-feira em Berlim.

Exposição "Body Worlds" permanente no museu Menschen, em Berlim, antes da abertura. 17/2/2015 REUTERS/Stefanie Loos

O projeto do anatomista alemão Gunther von Hagens e sua mulher, Angelina Whalley, exibe corpos que receberam silicone e resina, em um processo conhecido como “plastinação”, inventado por Von Hagens.

Apelidado de “Doutor Morte”, Von Hagens estava em turnê com a controversa exibição “Body Worlds” desde 1995, atraindo cerca de 40 milhões de visitantes.

Berlim agora é casa do primeiro local permanente para seu trabalho, localizado em frente à amada torre de televisão na Alexanderplatz.

Cobrindo uma área de 1.200 metros quadrados, a exibição mostra 20 corpos abertos, mostrando músculos, veias e ossos, em poses da vida real, como sentados, se alongando ou se exercitando.

Angelina Whalley disse que a exibição dá aos visitantes uma nova perspectiva em seus corpos e estilos de vida.

“Após visitar a exposição algumas pessoas disseram que nunca mais iam deixar de ligar para seus corpos”, afirmou ela, contando que uma pesquisa feita seis meses após as pessoas visitarem a exibição itinerante, mostrou que 9 por cento delas pararam de fumar, 23 por cento passaram a se exercitar mais e 30 por cento decidiram comer de forma mais saudável.

No entanto, nem todos em Berlim ficaram entusiasmados com a ideia de corpos mortos em tempo integral residindo na cidade.

O museu teve que superar a oposição de autoridades locais que declararam a exposição ilegal, citando leis de enterro e uma proibição de mostrar corpos de mortos, e tentaram vetar em outubro. Von Hagen ganhou o caso.

Mais que simples corpos, algumas pessoas veem a exposição como obras de arte, incluindo Detlef von Wagner, de 61 anos, que concordou em doar seu próprio corpo para o processo de plastinação após sua morte.

“Eu não quero só apodrecer ou ser cremado. Para mim, plastinação é arte. Pessoas estão pagando para ver seu corpo morto em um mostruário”, disse Von Wagner.

“A ideia da existência de vida após a morte é o que me leva a fazer isso. No mais, ninguém tem que pagar pelo meu funeral, o que é ótimo, não é?”, completou von Wagner.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below