30 de Abril de 2015 / às 13:47 / em 3 anos

Prêmio da revista Songlines homenageia Tony Allen, pioneiro do afrobeat

LONDRES (Reuters) - Artistas nigerianos com uma carreira de cinco décadas levaram os prêmios da revista de música Songlines em 2015, tendo o baterista Tony Allen, pioneiro do afrobeat, vencido na categoria de melhor artista, enquanto o Ibibio Sound Machine foi escolhido como melhor revelação.

Dançarinas em show da banda do nigeriano Tony Allen no St Lucia Jazz and Arts Festival. 11/05/2013 REUTERS/Andrea De Silva

Pai e filho do duo maliano Toumani Sidiki Diabaté foram escolhidos como o melhor grupo pelo seu trabalho, um destaque para a tradição do griot (contar histórias) na premiação, de acordo com o anúncio nesta quinta-feira.

O Kronos Quartet, geralmente associado à música clássica, levou o prêmio de colaboração intercultural por um álbum que abrange a música de vários países, da Síria à China.

Allen, de 74 anos, foi homenageado por seu álbum “Film of Life”, mas o prêmio é também um reconhecimento pelas suas realizações ao longo da vida, disse o editor-chefe da Songlines, Simon Broughton.

Allen começou a trabalhar com o falecido nigeriano Fela Kuti, lenda da música em 1964, e ajudou a criar o estilo afrobeat que energizou o continente. Ele já foi descrito como o “melhor baterista do planeta”. Sua música combina jazz, funk e sons tribais.

“Como disse Fela, sem Tony Allen não haveria nenhum afrobeat”, disse à Reuters Broughton.

“Filmo of Life”, que inclui uma colaboração com o Blur Damon Albarn, mostrou Allen ainda energizado e ansioso para experimentar.

O álbum também lida com questões da atualidade. Duas faixas, “Go Back” e “Boat Journey”, com seu refrão de “não fazer a viagem de barco”, destaca a situação dos africanos que fogem da guerra e da pobreza para arriscar a vida atravessando o Mediterrâneo.

O Ibibio Sound Machine, que tem sua base em Londres e é liderado pelo carismático vocalista Eno Williams, é um grupo de jovens expatriados nigerianos que junta os contos populares da região de Ibibio, no sudeste da Nigéria, com toques eletrônicos, funk, afrobeat e highlife.

“Eles estão realmente causando impacto. É essa mistura agradável da Nigéria, mas em um contexto de Londres. Londres é provavelmente a capital da World Music agora”, disse Broughton.

Sidiki Diabate é mais conhecido como um rapper, mas ele se ligou ao pai, Toumani, contador de histórias e tocador de kora, para um álbum de mesmo nome das músicas em uma vertente tradicional.

”A família Diabate vem sendo absolutamente central para a música do Mali por anos e anos, gerações e gerações. O pai de Toumani era um destacado tocador de kora. Eles olham muito para a tradição que herdaram e expressam a ideia de passá-la adiante”, afirmou Broughton.

Os Diabates também abordaram a tragédia dos refugiados - sua canção “Lampedusa” faz referência à ilha italiana onde se refugiam imigrantes, incluindo náufragos.

Reportagem de Louise Irlanda e Michael Roddy

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below