November 23, 2016 / 6:22 PM / 2 years ago

ESTREIA–“Rainha de Katwe” retrata vida de menina enxadrista de Uganda

SÃO PAULO (Reuters) - A pura e simples sobrevivência parecia improvável para Phiona Mutesi, garota ugandense que nasceu na favela de Katwe, em Kampala, capital do país. Seu pai morreu de Aids quando ela tinha 3 anos, sua irmã, de causa desconhecida.

Atores Lupita Nyong'o, Madina Nalwanga e David Oyelowo posam em Hollywood. 20/9/2016. REUTERS/Danny Moloshok

Quando Phiona andava com seu irmão vendendo legumes pelas ruas para ajudar no sustento da família, ainda analfabeta aos 9 anos, ela conheceu o missionário Robert Katende e foi apresentada ao xadrez. Antes dos 20 anos, a enxadrista acumulava títulos e se tornava Grande Mestre.

Uma história real tão inusitada e com tamanho potencial dramático não escapou ao radar do jornalista esportivo norte-americano Tim Crothers, que produziu um artigo e depois um livro, que foram o ponto de partida do filme “Rainha de Katwe”.

Nele, a diretora indiana Mira Nair (“Amelia”) coloca o melhor do seu empenho internacionalista, contando com a presença de dois competentes atores de alta visibilidade: a vencedora do Oscar de coadjuvante 2014, a mexicano-queniana Lupita Nyongo’o (“12 anos de escravidão”) e o duas vezes indicado ao Globo de Ouro, o britânico David Oyelowo (“Selma”).

Lupita interpreta Harriet, a mãe viúva da menina, que conduz a família com a maior energia possível depois da morte do marido. Por conta da pobreza, a filha Phiona (Madina Nalwanga) e os irmãos tiveram que deixar a escola de lado. A falta de escolaridade, no entanto, não foi obstáculo ao seu brilhante raciocínio, capaz de prever várias jogadas adiante num jogo de xadrez, detalhe logo notado por seu mentor.

É fácil encontrar pontos de contato entre o trabalho assistencial de Katende (David Oyelowo), um ex-jogador de futebol e enxadrista, junto às crianças da favela ugandense e projetos em ambientes parecidos no Brasil – embora a situação retratada pelo filme mostre um contexto de maior miséria.

De todo modo, um acerto no filme de Mira Nair é encontrar um equilíbrio ao evidenciar os efeitos da pobreza sobre a vida da menina, até para dar conta da enormidade do salto que ela teve que dar para sua superação.

Para começar, a alfabetização. Depois, a conquista da auto-estima e da segurança para participar de competições, diante de grupos de crianças mais privilegiadas, dentro de Uganda, depois no exterior. E também a própria resistência eventual da mãe, que tem que permitir que a menina se aparte dela, viaje com o mentor e outros garotos, o que certamente priva a família desvalida de uma de suas fontes de renda.

Demora um pouco até Phiona poder resgatar seu clã de um ciclo de pobreza, exploração, machismo, violência, a partir do exercício magistral de um jogo que sequer tinha uma palavra própria a designá-lo no idioma natal da menina.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below