February 8, 2017 / 6:31 PM / 2 years ago

ESTREIA–Concorrente ao Oscar, “Toni Erdmann” discute relações familiares e negócios no mundo contemporâneo

SÃO PAULO (Reuters) - Forte concorrente ao Oscar de melhor filme estrangeiro 2017, a produção alemã “Toni Erdmann”, da diretora Maren Ade, estrutura-se em torno de uma personagem feminina forte (interpretada com brio pela atriz Sandra Hüller) e uma discussão bastante séria sobre o desenraizado modelo capitalista de nossos dias.

Diretora alemâ Maren Ade recebe seu troféu depois de receber o prêmio de cinema Lux do Parlamento Europeu por seu filme "Toni Erdmann" em Estrasburgo, na França 23/11/ 2016. REUTERS/Vincent Kessler

Neste que é o terceiro longa da diretora (o segundo, “Todos os Outros”, ganhou dois prêmios em Berlim 2009, Grande Prêmio do Júri e melhor atriz), o núcleo apoia-se igualmente numa difícil relação entre pai, Winfried (Peter Simonischek), e filha, Ines (Sandra Hüller). Os dois vivem distantes, até fisicamente. Ela mudou-se para Bucareste, onde se tornou uma executiva durona, especializada em operações de outsourcing e seus decorrentes cortes drásticos de custos e pessoal.

Ines mora sozinha, não tem realmente amigos, somente relações profissionais. Suas companhias mais frequentes são duas outras mulheres, estrangeiras como ela. A moça é o próprio símbolo do capitalismo sem raízes, que viaja de país a país, seguindo conveniências alheias aos moradores de cada local, que devem, assim como seus governos, lidar com a terra arrasada e o desemprego que sobram após a passagem dessas multinacionais, como aquela em que trabalha Ines.

Só que seu pai está decidido a encarnar tudo o que ela suprimiu em sua vida, ou seja, o afeto, a diversão, a contradição. Ele a visita de surpresa em Bucareste e torna-se um fator de irritação a cada passo que ela dá, intrometendo-se em seus encontros profissionais e mesmo pessoais.

No habilidoso roteiro, também de autoria da diretora, criam-se situações surpreendentes a cada passo desta dupla em conflito – especialmente a partir de um certo ponto em que o pai decide assumir um alter ego meio palhaço, autointitulado “Toni Erdmann”, fazendo um contraponto ao comportamento frio da filha com uma peruca ridícula, dentes falsos e observações inesperadas.

Há situações absolutamente impagáveis – a festa de aniversário nudista é o melhor exemplo -, que permitem à diretora explorar alguns caminhos do absurdo mundo contemporâneo com uma ironia ferina, à qual não falta algum calor por baixo do rigor germânico.

Repercutindo em vários festivais internacionais, o filme alemão já teve anunciada sua refilmagem, com Jack Nicholson e Kristen Wiig nos principais papeis.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below