March 8, 2017 / 7:39 PM / 2 years ago

ESTREIA–Isabelle Huppert vive diva decadente em “Souvenir”

SÃO PAULO (Reuters) - Vista recentemente na pele de Michèle Leblanc, a implacável heroína do drama “Elle” – que rendeu sua primeira indicação ao Oscar -, a atriz francesa Isabelle Huppert retorna às telas num filme mais intimista, a comédia dramática “Souvenir”.

Isabelle Huppert durante o Oscar 26/02/17 REUTERS/Mike Blake

Dirigida pelo promissor diretor belga Bavo Defurne, Isabelle despoja-se de sua habitual frieza e segurança para encarnar Liliane Cheverny, operária de uma fábrica de patês finos. Ela leva uma existência solitária e sem amigos, de casa para o trabalho, do trabalho para casa. Até o dia em que a fábrica contrata um novo trabalhador substituto, Jean Leloup (Kévin Azaïs).

Mantendo uma amizade cordial, ele reconhece nela Laura, a cantora preferida de seu pai (Jan Hammenecker) que, décadas atrás, tivera um sucesso fugaz depois da participação num concurso na TV – em que ela perdeu na grande final.

A trajetória da madura Liliane e do jovem Jean começa a emparelhar justamente a partir de seus contrastes – e a diferença de idade não é obstáculo à mútua atração. Fora isso, o sonho dele de tornar-se boxeador corresponde ao dela, hoje adormecido, de brilhar como cantora.

O filme lida com esse romance incomum, que desperta o preconceito de alguns – como os pais dele – mas se alimenta de esperanças muito parecidas. Jean funciona inclusive como estímulo para que Liliane pense em retomar sua carreira, interrompida depois de conflitos mal-explicados com seu antigo empresário e amante, Tony Jones (Johan Leysen).

A entrega de Isabelle a este papel de mulher desiludida e melancólica, mas ainda disposta a amar, e a sinceridade de Kévin como seu entusiasmado jovem companheiro são pontos altos para o envolvimento do público. Uma aura de humor acompanha a volta de Liliane aos palcos, com figurino e repertório brega-chique-romântico que fazem a delícia dos saudosistas dos anos 1970.

Falando em música, Isabelle interpreta neste revival “Joli Garçon”, da banda Pink Martini, que fica na cabeça de qualquer espectador. Se o filme não tem nenhum segredo, dá conta de sua receita com simplicidade e um charminho francês. Lembra até um pouco o cult “Estação Doçura” (85), de Percy Adlon, por seu casal anticonvencional e a honestidade com que ele é tratado.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below