March 15, 2017 / 6:28 PM / 2 years ago

ESTREIA–Premiado docudrama de Eliane Caffé retrata ocupações no centro de São Paulo

SÃO PAULO (Reuters) - É difícil saber onde acaba o documentário e começa a ficção em “Era o Hotel Cambridge”, de Eliane Caffé – e justamente aí está o maior atrativo deste filme híbrido e profundamente humano, premiado em festivais internacionais, como San Sebastián e Roterdã, e nacionais, como o Festival do Rio e a Mostra Internacional de São Paulo.

A diretora passou cerca de dois anos no antigo hotel Cambridge, um edifício abandonado no centro velho de São Paulo, para produzir a história, que mescla as vidas reais de um grupo de sem-teto – vários deles, refugiados estrangeiros – reencenadas por eles mesmos e um reduzido grupo de atores, como José Dumont e Suely Franco.

Mesclam-se nesse retrato do cotidiano de um edifício ocupado cenas como o cuidado das crianças, o comércio de alimentos, reuniões que decidem as normas de convivência num local onde vivem centenas de pessoas, o conserto de uma precária ligação elétrica e atividades artísticas, envolvendo dança e teatro, sob o comando de Apolo (José Dumont).

O clima é espontâneo, traduzindo o que foi uma convivência estreita entre estes atores e os moradores, além da equipe técnica, integrando todo mundo num grande coletivo dedicado a mostrar fragmentos de sua vida no filme.

Uma ênfase especial é colocada na questão dos refugiados, como os congoleses e palestinos, cuja presença nem sempre é percebida quando se pensa no problema dos sem-teto, uma população que inclui vários migrantes de outras regiões do Brasil, como os nordestinos.

Ao problematizar um princípio de preconceito dos sem-teto brasileiros contra os estrangeiros, numa reunião, o filme presta um serviço a uma reflexão sobre a tolerância.

As histórias destes estrangeiros são, certamente, as mais dramáticas dentro da narrativa, colocando em primeiro plano uma sobrevivência quase milagrosa de vários deles ao escaparem de guerras e condições de viagem clandestinas e altamente perigosas.

Sendo uma reconstrução ficcional de histórias reais, o filme não tem um único protagonista e isso é muito rico. Seu intuito, desde o começo, é ser uma polifonia de vozes distintas, sem perder o foco de que todos, absolutamente todos, estão no mesmo barco – a luta por moradia, dignidade e trabalho.

A presença da líder do movimento por moradia, Carmem Silva, figura altamente carismática, organizando a ocupação de um edifício vizinho, retrata situações vividas com frequência pelos personagens do filme. Na reação violenta da polícia vê-se um trecho completamente documental e assustador, que dá a medida dos riscos destas operações, das quais participam muitas mulheres e crianças.

Se não são novidade os documentários sobre ocupações urbanas deste tipo, são bem menos comuns filmes que consigam retratar por dentro a gênese destes movimentos sociais, com todas as suas dificuldades e contradições. A camada ficcional do filme humaniza os personagens num grau excepcional e cria momentos de verdadeira poesia.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below