July 26, 2017 / 8:01 PM / a year ago

Diretora de "Detroit" diz esperar que filme provoque diálogo sobre raça nos EUA

(Reuters) - Diretora vencedora do Oscar, Kathryn Bigelow levou seu retrato dos distúrbios de motivação racial ocorridos em Detroit em 1967 à própria cidade na estreia mundial de “Detroit”, dizendo esperar que o filme estimule um diálogo nacional mais amplo.

Kathryn Bigelow 10/12/2012 REUTERS/Mario Anzuoni

“Detroit” recria os tumultos civis provocados por afro-norte-americanos na cidade durante o verão de 50 anos atrás e os pouco conhecidos interrogatório e execução de três jovens negros no Algiers Motel.

    O filme, que estreia nas maiores cidades dos Estados Unidos na sexta-feira, tem 100 por cento de avaliações positivas no site agregador de críticas Rotten Tomatoes, algo raro, e muitos críticos de cinema o classificaram como atemporal, mas doloroso de se assistir.

    Bigelow, presente em Detroit para a premiere de terça-feira, observou que, embora os acontecimentos tenham ocorrido meio século atrás, homens negros desarmados continuam sendo baleados pela polícia nos EUA.

    “Estes eventos continuam acontecendo. Quer dizer, vejam o quão atemporal e tópico é (o que aconteceu) com Michael Brown, Trayvon Martin, Laquan McDonald, Freddie Gray”, disse Bigelow aos repórteres no tapete vermelho.

    Brown, Martin, McDonald e Gray foram mortos em incidentes separados entre 2012 e 2015, desencadeando protestos e um debate sobre a percepção de um viés racial na polícia norte-americana. Martin foi morto por um voluntário de uma patrulha de bairro.

    “Acho (que o filme é) uma oportunidade para incentivar ou convidar a um diálogo que este país precisa desesperadamente sobre acabar com uma divisão, em minha humilde opinião”, acrescentou a diretora.

    Bigelow, de 65 anos, foi a primeira mulher a conquistar um Oscar de direção por “Guerra ao Terror”, produção de 2008 sobre a guerra do Iraque. Ela também dirigiu “A Hora Mais Escura”, suspense de 2012 sobre a missão militar dos EUA que caçou o líder da Al Qaeda, Osama bin Laden.

    Em “Detroit”, o ator Will Poulter interpreta um policial branco e racista que mais tarde foi julgado e absolvido de todas as acusações relacionadas às mortes.

    “Penso como muitas outras pessoas brancas, às vezes o tópico da raça muitas vezes é incômodo ou difícil. Estou torcendo para que um filme como este incentive as pessoas a conversarem sobre este tópico”, disse Poulter.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below