December 12, 2018 / 9:25 PM / in 10 months

Estrela de balé cubano Carlos Acosta protagoniza biografia em filme

Dançarino cubano Carlos Acosta, na estreia de "Yuli", no Festival de Havana, Cuba 7/12/2018 REUTERS

HAVANA (Reuters) - Para Carlos Acosta, filho de um caminhoneiro negro em Cuba, superar a pobreza, os preconceitos e a política para se converter em uma lenda do balé mundial, escrever suas memórias e fundar uma companhia de dança não foi o suficiente.

O bailarino cubano de 45 anos, que chegou à fama quando era adolescente, animado pelo atletismo e virtuosismo do balé, apresentou nesta semana sua cinebiografia no Festival de Cinema de Havana. 

“Yuli” levou o público ao riso, às lágrimas, e à emoção, arrancando fortes aplausos entre os espectadores. 

“Esta é a história dos cubanos, não é apenas a minha história”, disse Acosta em uma entrevista à Reuters. 

“Yuli”, dirigida pela espanhola Iciar Bollaín, combina um relato fictício de Acosta baseado em seu livro de memórias “No Way Home”, com imagens de arquivo que o mostram dançando em coreografias originais que apresentam episódios de seu passado.

Acosta se aposentou do Balé Royal em 2015. O filme, escrito pelo britânico Paul Laverty, recebeu nesta terça-feira cinco indicações aos prêmios Goya de Cinema Espanhol. 

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below