May 5, 2020 / 4:36 PM / 21 days ago

Escritor preso na China tem poemas divulgados por editora da Suécia

Manifestantes pró-democracia queimam carta perto de fotos de escritores que estavam desaparecidos, incluindo Gui Minhai 03/01/2016 REUTERS/Tyrone Siu -/File Photo

ESTOCOLMO (Reuters) - Uma editora sueca distribuiu nesta terça-feira poemas escritos por um autor de Hong Kong que foram contrabandeados para o exterior da prisão chinesa onde ele cumpre pena de 10 anos de reclusão depois de ser condenado por fornecer informações a estrangeiros ilegalmente.

O cidadão sueco nascido na China Gui Minhai é o mais destacado de cinco livreiros que desapareceram em 2015, todos vinculados a uma livraria em Hong Kong conhecida por seus textos de fofoca sobre líderes políticos chineses.

Esses livros são proibidos no continente chinês, mas legais em Hong Kong, uma ex-colônia britânica que retornou ao controle da China em 1997 com garantias de liberdades não usufruídas no continente.

Um tribunal chinês condenou Gui em fevereiro e disse que ele havia pedido a restituição da cidadania chinesa.

A Suécia rebateu dizendo que ele não solicitou que sua cidadania sueca fosse revogada e reiterou exigências de que ele pudesse ter acesso consular.

A editora Kaunitz-Olsson informou em um email que os poemas foram escritos por Gui na prisão.

Os temas dos poemas, impressos em chinês e sueco, abrangem desde florestas suecas até sua prisão, com uma estrofe que dizia: “Seria constrangedor Parar de escrever poemas Porque a poesia está enjaulada”.

Reportagem de Anna Ringstrom e Johan Ahlander

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below