June 16, 2020 / 8:46 PM / 21 days ago

Futuro da mídia: mais digital e mais dificuldade econômica, diz Instituto Reuters

LONDRES (Reuters) - O surto de coronavírus provocou um aumento significativo no consumo de notícias, mas a turbulência econômica está forçando as empresas de notícias a acelerar uma mudança para o digital, segundo o Instituto Reuters para o Estudo de Jornalismo.

Gráfica em Madri 13/06/2020 REUTERS/Juan Medina

Os isolamentos impostos por causa do coronavírus levaram a um aumento global na visualização de notícias na televisão e na internet, embora preocupações com notícias falsas permaneçam altas, com Facebook e WhatsApp vistos como os principais canais de divulgação das chamadas “fake news”.

Panorama geral mostra que a pandemia está acelerando as tendências provocadas pela revolução tecnológica, incluindo a ascensão dos smartphones como interface de consumo de notícias, disse o Instituto Reuters em seu relatório anual sobre notícias digitais (www.digitalnewsreport.org).

“A manchete é que vemos uma mudança acelerada para a mídia digital, mídia móvel e vários tipos de plataformas”, disse Rasmus Kleis Nielsen, diretor do Instituto Reuters, por telefone.

“Isso vem acompanhado por um declínio contínuo da confiança nas notícias e preocupações crescentes com informações erradas, principalmente nas mídias sociais e por alguns políticos.”

O maior aumento de preocupação com a desinformação da mídia ocorreu em Hong Kong, onde manifestantes antigovernamentais se opuseram às tentativas da China de reforçar seu controle da ex-colônia britânica.

O negócio de notícias permanece incerto, à medida que a mídia em todo o mundo está cortando funcionários para lidar com uma queda drástica na receita de publicidade.

Mas um raio de esperança pode ser o fato de que um número crescente de pessoas está disposto a pagar por notícias online, embora isso também possa aumentar a desigualdade de informação, pois muitas não podem pagar pelo jornalismo de alta qualidade.

E um outro processo pode ser visto: cerca de metade dos que assinam qualquer pacote online ou combinado nos Estados Unidos usam o New York Times ou o Washington Post, segundo o Instituto Reuters.

Uma tendência semelhante pode ser observada no Reino Unido com o The Times ou o Telegraph.

E para aqueles que preveem o domínio das notícias em vídeo, o Instituto Reuters descobriu que em vários países, incluindo Reino Unido, Austrália, França e Coreia do Sul, pessoas com menos de 35 anos preferiram ler ao invés de assistir notícias online.

O Instituto Reuters para o Estudo de Jornalismo é um centro de pesquisa da Universidade de Oxford que acompanha as tendências da mídia. A Thomson Reuters Foundation, braço filantrópico da Thomson Reuters, financia o instituto.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below