for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Cineasta Ava DuVernay pretende responsabilizar polícia dos EUA através da arte

Ava DuVernay 09/02/2020 REUTERS/Danny Moloshok

LOS ANGELES (Reuters) - A cineasta norte-americana Ava DuVernay está exortando escritores, dançarinos, poetas e outros artistas a ajudarem a tornar os nomes de policiais violentos tão conhecidos quanto os de suas vítimas.

A empresa de mídia Array, fundada por DuVernay, lançou o Projeto de Responsabilização das Forças da Lei (Leap) para apoiar obras de arte que contam histórias sobre a violência policial nos EUA -- uma questão que voltou a chamar atenção após a morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos, sob custódia da polícia da cidade de Mineápolis.

DuVernay, a cineasta por trás de “Selma: Uma Luta pela Igualdade” e “13th”, disse que a ideia surgiu da frustração.

“As histórias sobre abuso policial de negros que estão desarmados e não deveriam ser mortos não estão sendo bem contadas quando policiais conseguem simplesmente desaparecer no éter”, disse DuVernay em entrevista recente à Reuters.

“Posso... recitar 30 nomes de negros que foram filmados sendo assassinados pela polícia nos últimos cinco anos, mas não sei lhe dizer quem os matou e não sei lhe dizer quem são estas pessoas”, disse. “Acho que isso é inaceitável”.

A iniciativa encomendará projetos de cinema, literatura, poesia, teatro, dança, artes plásticas e música. A primeira criação será lançada em agosto na internet, contou DuVernay, seguida por uma a cada mês durante ao menos os próximos dois anos.

Os ativistas serão incentivados a fazerem suas obras circular pelas redes sociais para aumentar a visibilidade.

“Esta é uma demonstração ativa de resistência, por isso terá continuidade e será coerente”, disse DuVernay.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up