for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Pintora palestina expõe em obras medos pela anexação israelense

Artista palestina Khadeeja Bisharat, a filha Menas 18/6/2020 REUTERS/Raneen Sawafta

VALE DO JORDÃO, Cisjordânia (Reuters) - Entre as áridas colinas do Vale do Jordão, a artista palestina Khadeeja Bisharat pinta cenas de escavadeiras e demolições, um reflexo do medo do que pode acontecer à sua comunidade beduína isolada se Israel anexar terras na Cisjordânia ocupada.

Cerca de 15.000 palestinos vivem em pequenos acampamentos pastorais espalhados pelo Vale do Jordão. Israel prometeu ampliar sua soberania sobre o território - cerca de 30% da Cisjordânia - com a discussão em nível ministerial sobre a medida prevista para começar em 1º de julho.

“Isso afeta nosso bem-estar psicológico e o bem-estar das crianças ... Eles permitirão que os moradores fiquem? Eles demolirão suas casas?”, disse Bisharat, de seu acampamento beduíno no norte do Vale do Jordão.

A artista, de 37 anos, afirma que tenta expressar seu medo e incerteza através de pinturas, entre elas uma aquarela representando mulheres reunidas em torno de uma casa demolida e a cena de uma escavadeira amarela se aproximando de uma cabana beduína.

“Tento transmitir uma mensagem de como a ocupação nos afeta, as violações às quais estamos sujeitos”, disse a mãe de três filhos.

Israel capturou a Cisjordânia em uma guerra de 1967. Um posto militar israelense, perto do assentamento judeu de Hamra, tem visão para a comunidade de Bisharat do alto de uma colina próxima.

Ela disse que se sente cercada, longe de áreas sob o controle da Autoridade Palestina e exposta à demolição israelense de barracos erguidos por sua comunidade.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up