for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Concerto para plantas em Barcelona ressalta absurdo da condição humana na era do coronavírus

Plantas de viveiro são dispostas em assentos ao público na casa de ópera Liceu de Barcelona. 22/06/2020. REUTERS/Nacho Doce.

BARCELONA (Reuters) - A casa de ópera Liceu de Barcelona reabriu as portas nesta segunda-feira pela primeira vez em mais de três meses para realizar um concerto exclusivo para uma audiência incomum: suas quase 2.300 plantas.

Os organizadores disseram que a intenção foi refletir sobre o absurdo da condição humana na era do coronavírus, que priva as pessoas de sua posição de espectadores.

“A natureza avançou para ocupar os espaços que tomamos dela”, disse o produtor-executivo, Eugenio Ampudio, no palco durante um ensaio de tarde antes da apresentação.

“Podemos ampliar nossa empatia? Vamos começar com arte e música em um grande teatro convidando a natureza a entrar”, disse ele dentro do edifício neoclássico eclético do século 19, que é uma das maiores casas de ópera da Europa.

Após o concerto, que foi transmitido ao vivo no YouTube, as 2.292 plantas de estufa colocadas em cada assento seriam doadas a profissionais de saúde na linha de frente do combate ao vírus.

O “Concerto para o Bioceno” foi possibilitado pela suspensão do estado de emergência da Espanha no domingo. Ele contou com um quarteto de cordas que interpretou “Chrysanthemum”, do compositor italiano Giacomo Puccini, escolhido por sua tristeza evocativa de um réquiem.

A Espanha foi uma das nações mais afetadas pela pandemia de Covid-19, tendo registrado 246.272 casos e 28.323 mortes até agora.

Por Luis Felipe Castilleja

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up