for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Mesmo reduzido, festival de Veneza busca enviar mensagem positiva ao cinema

01/09/2020 REUTERS/Yara Nardi

VENEZA, Itália (Reuters) - Menos estrelas de Hollywood desfilarão pelo tapete vermelho e não haverá fãs clamando por autógrafos. Mas, apesar de todas as restrições por causa da Covid-19, o diretor Alberto Barbera diz que o simples fato de o festival de cinema de Veneza estar acontecendo ao vivo nesta semana já envia uma mensagem positiva.

“Acreditamos que é hora de recomeçar para o cinema”, disse Barbera à Reuters na véspera do início do festival, que vai de 2 a 12 de setembro e está em seu 77º ano.

“Precisamos reabrir os cinemas. Precisamos distribuir novos filmes. Precisamos começar a rodar novos filmes e espero que o festival seja um sinal de solidariedade e incentivo para todos os envolvidos com a indústria cinematográfica.”

O festival de cinema mais antigo do mundo, considerado uma vitrine para os candidatos ao Oscar à medida que a temporada de premiação se aproxima, é o primeiro evento internacional deste tipo desde que o mundo do cinema foi paralisado devido à pandemia.

O maior festival de cinema do mundo - o de Cannes - foi cancelado.

Com os casos de coronavírus aumentando novamente na Itália e em outros lugares, um protocolo rígido de segurança foi colocado em prática em Veneza.

As temperaturas serão verificadas e cada segundo assento nos cinemas será deixado vazio. Os lugares terão que ser reservados online, o público terá que usar máscara facial e não serão permitidos fãs perto do tapete vermelho, entre outras medidas.

Entre as estrelas que participarão do evento estão a atriz australiana Cate Blanchett, que comandará o júri, o ator norte-americano Matt Dillon e o diretor espanhol Pedro Almodóvar. A atriz britânica Tilda Swinton também deve comparecer para receber um prêmio pelo conjunto de sua obra.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up