for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Disney está "muito satisfeita" com estreia de Mulan, antes de lançamento na China

Atriz Yifei Liu, de "Mulan" 12/03/2020 REUTERS/Henry Nicholls

LOS ANGELES (Reuters) - A Walt Disney Co está “muito satisfeita” com os resultados iniciais da estratégia incomum de lançamento do live-action de “Mulan”, afirmou a diretora-executiva financeira, Christine McCarthy, em uma conferência com investidores, nesta quarta-feira.

Devido à pandemia de coronavírus, “Mulan” ficou disponível para compra nos Estados Unidos na plataforma de streaming Disney+ ao longo do fim de semana do Dia do Trabalho e em cinemas de alguns países.

O filme estreará nos cinemas na China, segundo maior mercado cinematográfico do mundo, na sexta-feira.

“Mulan”, um remake de 200 milhões de dólares de um clássico animado da Disney sobre uma guerreira mulher na China, foi feito para apelar ao público daquele país. Mas o filme gerou controvérsia por causa do apoio da sua estrela à polícia de Hong Kong e por ter sido parcialmente filmado na região de Xingjiang, onde a repressão chinesa à etnia Uigur e outros muçulmanos foi criticada por alguns governos, como os EUA, e grupos de direitos humanos.

O plano original da Disney era lançar o filme nos cinemas ao redor do mundo em março, mas a pandemia do novo coronavírus a obrigou a descartá-lo.

A Samba TV, que monitora a audiência em smart TVs, estimou que mais de 1,1 milhão de casas nos EUA pagaram 30 dólares para ver “Mulan” no Disney+ entre sexta-feira e segunda-feira.

Isso significaria uma receita de 33,5 milhões de dólares do filme, mais ganhos adicionais de quem se tornou um novo assintante mensal do Disney+.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up