May 17, 2017 / 8:04 PM / a year ago

ESTREIA–Nem Gerard Butler salva “Um Homem de Família” do excesso de chavões

SÃO PAULO (Reuters) - Trabalho de estreia do diretor Mark Williams, “Um Homem de Família” parece temer deixar de fora algum dos inúmeros clichês que normalmente atolam dramas familiares e também os ambientados no ambiente corporativo. Williams simplesmente alinha todos, o que tira um pouco do charme do filme, com elenco liderado pelo escocês Gerard Butler.

Gerard Butler chega ao Festival de Toronto 14/9/2016 REUTERS/Mark Blinch

Ele é Dane Jensen, um dos mais aguerridos head hunters de uma firma de Chicago. Encarna aquele tipo de executivo feroz, que invade o espaço alheio e não poupa nenhum esforço para fechar mais um contrato. O problema é que isso está consumindo todo o seu tempo, inclusive noites e fins de semana, tornando rara e difícil sua convivência com a mulher, Elise (Gretchen Mol), e três filhos ainda crianças.

Acostumado a interpretar heróis de filmes de ação, como “300” (2006) e “Invasão a Londres” (2016), Butler tira de letra este papel. Mas acontece que o roteiro, escrito por Bill Dubuque, empenha-se numa virada moral do protagonista, carregada de tantos lugares-comuns sobre a relação entre homens e mulheres que se parece estar num filme dos anos 1950. Dane é o protótipo do macho alfa e provedor, enquanto a mulher é o modelo de dona de casa que deixou tudo na vida para ser esposa e mãe e vive cobrando a conta.

Quando entra em cena a doença grave do filho mais velho, o menino Ryan (Max Jenkins), os chavões só pioram.

O foco está na divisão da energia de Dane entre concorrer a um cargo de chefia – tendo, para isso, que encarar dois tubarões corporativos, seu patrão, Ed (Willem Dafoe), e a colega concorrente, Lynn (Alison Brie) – e a necessidade de dedicar-se mais ao filho doente.

A humanização do workaholic é também promovida por um relacionamento extemporâneo – e que parece muito inverossímil - com um engenheiro desempregado de 59 anos (Alfred Molina). Super-qualificado mas tido como velho demais, Dane não consegue empregá-lo. Mas é este homem, sempre falando pelo telefone com ele, quem inverte a relação de poder e termina sendo um inesperado apoio à sua transformação. Como em qualquer filme de Hollywood, aos clichês somam-se as soluções quase mágicas.

Um ponto baixíssimo e preconceituoso nos diálogos acontece quando Ed diz que não se casa porque prefere a companhia de mulheres como “uma brasileira que cobra US$ 5.000”, vendo-se na tela, a seguir, a imagem de uma morena cuja profissão ninguém tem dificuldade de identificar.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below