for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Estudo em Florença prova que Leonardo da Vinci era ambidestro

Obra de Leonardo da Vinci é analisada por microscópio em Florença 08/04/2019 Galeria Uffizi/Divulgação via REUTERS

FLORENÇA, Itália (Reuters) - Um estudo aprofundado do desenho mais antigo que se conhece de Leonardo da Vinci provou que o grande artista renascentista era ambidestro, disse a Galeria Uffizi da Itália nesta segunda-feira.

A análise científica e tecnológica também relevou o esboço oculto e até então desconhecido de uma paisagem, também de autoria de Da Vinci, na parte traseira da obra original.

“É uma verdadeira revolução no campo de estudos sobre Leonardo”, disse o diretor da Uffizi, Eike Schmidt.

As descobertas foram anunciadas um mês antes do 500º aniversário da morte de Da Vinci, responsável por obras-primas como a Mona Lisa.

Seu primeiro desenho conhecido está datado de 5 de agosto de 1473, quando ele tinha 21 anos, e mostra uma paisagem do vale do rio Arno e do castelo de Montelupo, nos arredores de Florença.

Conhecida como “Paisagem 8P” devido ao seu número de inventário, a obra tem palavras na frente que vão da direita à esquerda, como Da Vinci escrevia com frequência, e informam a data. Na traseira, a inscrição vai da esquerda para a direita e alude a um contrato informal.

Um estudo dos dois textos confirmou que ambos foram escritos pelo artista e mostrou que ele conseguia escrever perfeitamente com as duas mãos.

“Leonardo nasceu canhoto, mas foi ensinado a escrever com a mão direita ainda muito jovem”, disse a historiadora da arte Cecilia Frosinini. “Olhando seus escritos, incluindo o deste desenho, percebe-se que sua caligrafia de mão direita é treinada e bem-feita”.

Por Silvia Ognibene

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up