23 de Outubro de 2007 / às 03:10 / 10 anos atrás

ESTRÉIA-Vikings tentam dominar a América em "Desbravadores"

SÃO PAULO (Reuters) - A aventura “Desbravadores”, estréia da sexta-feira, segue a linha de filmes históricos como “300” e “Apocalypto”, embora passe longe dos livros de história, transformando tudo em pura ação.

A premissa parte de uma fantasia, criada pelo roteirista Laeta Kalogridis (“Alexandre”): imagina-se o que teria acontecido com os vikings se eles chegassem ao continente americano.

“Desbravadores” passa-se no século 10, antes da chegada de Colombo à América. Depois de uma batalha dos vikings contra os indígenas, um garoto é esquecido para trás. Uma nativa encontra-o abandonado num navio e o leva para a sua tribo, onde ele é adotado.

Quinze anos depois, o menino se transformou num guerreiro com o nome de Ghost, interpretado pelo neozelandês Karl Urban, da série de televisão “Xena” e da trilogia “O Senhor dos Anéis”.

Agora, os vikings estão voltando à América, sem saber que um dos membros mais fortes daquela tribo indígena é, na verdade, um dos seus.

Os vikings conseguem dominar a tribo, e Ghost terá ajuda de um xamã conhecido como Desbravador, interpretado por Russell Means, que é um índio Sioux. Ghost e alguns amigos acabam capturados pelos vikings, e a lealdade do personagem será posta à prova.

A direção de Marcus Nispel, que também assina o remake mais recente de “O Massacre da Serra Elétrica”, faz o filme parecer com “Apocalypto” ao privilegiar a sanguinolência e tentar aproximar-se de um visual de histórias em quadrinhos.

Por Alysson Oliveira, do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below