3 de Novembro de 2009 / às 20:15 / 8 anos atrás

"Um Conto de Natal" ganha tratamento cinematográfico empolgante

Por Jill Serjeant

<p>Ator Jim Carrey e sua mulher Jenny McCarthy chegam para premi&egrave;re mundial de "Um Conto de Natal" em Londres REUTERS/Toby Melville</p>

LOS ANGELES (Reuters) - Pegue um clássico conto de Natal, acrescente uma dose de Jim Carrey e uma pitada de tecnologia inovadora.

Asse por 96 minutos, à moda de Hollywood, e o resultado é “Os Fantasmas de Scrooge”, a versão mais recente da história escrita no século 19 por Charles Dickens, que chega aos cinemas mundiais na sexta-feira.

Descrita como filme que garante “emoções multissensoriais”, a versão animada em 3D criada pela Walt Disney do clássico conto de fantasmas de Dickens surge após mais de 20 versões anteriores feitas para o cinema e a TV, incluindo as que foram estreladas por Barbie, Mickey e os Muppets.

Mas o diretor Robert Zemeckis acha que nenhuma das versões anteriores captou a visão original de Dickens. O diretor premiado com o Oscar por “Forrest Gump” acha que desta vez acertou a mão.

“Acho que esta talvez seja a maior história sobre viagens no tempo já escrita na língua inglesa”, disse ele.

Conhecido por representar múltiplas personalidades em “Eu, Eu Mesmo & Irene”, Jim Carrey faz a voz e a imagem do sovina Ebenezer Scrooge -- em todas as idades -- e também os fantasmas do Natal Passado, Presente e Ainda por Vir.

“Cada espírito é um aspecto do próprio Scrooge”, disse Carrey. “Acho que Scrooge é um cara que foi abandonado e nunca foi amado. Ele foi sendo decepcionado pela vida, repetidas vezes.”

HORROR, HUMOR E DIVERSÃO NATALINA

O filme de Zemeckis não se desvia da história conhecida de Dickens, na qual Scrooge inicia o feriado natalino com desprezo pelo Natal e então é visitado por espíritos que o ajudam a abrir seu coração para desfazer os anos de má-vontade em relação a sua família, seu fiel empregado e o menino doente Tiny Tim.

O filme emprega a tecnologia que Zemeckis já usou em “Expresso Polar” (2004) e “Beowulf” (2007), que funde a imagem e as expressões faciais dos atores com personagens animados, criados por computador.

Com isso, Carrey, Gary Oldman, Bob Hoskins e Robin Wright conseguem encarnar vários personagens, dando a Zemeckis a liberdade de levar os espectadores em uma viagem pelo tempo, o espaço e o céu cheio de neve da Londres vitoriana, ao mesmo tempo acrescentando elementos de horror e comédia de pastelão ao filme.

Scrooge já foi representado por atores que vão desde o britânico Alastair Sim, em versão feita para o cinema em preto e branco em 1951, até Bill Murray em “Os Fantasmas Contra-atacam” (1988) e Michael Caine em “The Muppet Christmas Carol” (1992).

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below