3 de Dezembro de 2009 / às 15:39 / 8 anos atrás

ESTREIA-Almodóvar volta a melodrama em "Abraços Partidos"

SÃO PAULO (Reuters) - O cineasta espanhol Pedro Almodóvar, que completou 60 anos em setembro, realiza em “Abraços Partidos”, seu 17º filme, um claro retorno aos temas e admirações que lhe são mais caros. O filme estreia nesta sexta-feira em circuito nacional.

<p>O diretor espanhol Pedro Almod&oacute;var posa com a atriz Pen&eacute;lope Cruz durante sess&atilde;o de fotos do filme "Abra&ccedil;os Partidos", no 62o Festival de Cinema de Cannes (19/05/2009). O filme &eacute; a sua quarta parceria com Pen&eacute;lope Cruz (vista tamb&eacute;m em "Volver", "Tudo sobre Minha M&atilde;e" e "Carne Tr&ecirc;mula"). REUTERS/Eric Gaillard</p>

Estão na história o melodrama, o noir e referências expressas a diretores que Almodóvar assumidamente cultua - como Federico Fellini, Luchino Visconti, Nicholas Ray e Jules Dassin. Nem por isso, o filme se resume a uma coleção de citações.

Nesta que é sua quarta parceria com a atriz Penélope Cruz (vista também em “Volver”, “Tudo sobre Minha Mãe” e “Carne Trêmula”), o diretor exercita um jogo de duplicidade. Que começa com o protagonista, que usa alternadamente os nomes de Harry Caine e Mateo Blanco (ambos interpretados por Lluís Homar, de “Má Educação”).

No tempo presente, ele só é conhecido como Harry Caine, pseudônimo do roteirista cego que, apesar da deficiência, vive com relativa independência e sucesso profissional. No dia-a-dia, ajudam-no em suas tarefas sua produtora, Judit (Blanca Portillo, de “Volver”), e o filho desta, Diego (Tamar Novas, de “Mar Adentro”).

Seu nome verdadeiro, Mateo Blanco, remete a um passado que ele não quer recordar, no qual era um cineasta de prestígio. Antes que se esclareçam as causas de sua cegueira, sucessivos flashbacks informam sobre a identidade de Lena (Penélope Cruz), a atriz do último filme dirigido por Blanco e sua musa.

Ao conhecer Blanco, Lena era amante de um milionário, Ernesto Martel (José Luis Gómez), um homem a quem era grata por tê-la ajudado financeiramente na grave doença de seu pai.

Escolhida para o novo filme de Blanco, a comédia “Garotas e Malas”, Lena inicia um caso com o diretor, cujos desdobramentos serão trágicos em mais de um sentido.

Não é mera coincidência que este filme dentro do filme, “Garotas e Malas”, se pareça tanto, em termos de personagens, cenários e figurinos, com “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos” (1987) - que foi o primeiro sucesso internacional de Almodóvar e deu início à sua consagração ao redor do mundo, ao ganhar a indicação ao Oscar de melhor roteiro original, cinco prêmios Goya (o principal da Espanha) e os troféus de melhor atriz (Carmen Maura) e melhor filme jovem da Academia Europeia, entre outros.

Para realizar “Abraços Partidos”, o diretor teve que lidar com um problema crônico de saúde, sua enxaqueca. Em entrevistas, ele admitiu que começou a filmar sem ter plena certeza se conseguiria concluir este trabalho, tão fortes eram duas dores de cabeça.

No final, ele disse que o trabalho o ajudou a superar o problema, ainda que provisoriamente. Nem por esse detalhe, nem pelo fato de que se trata de uma de suas obras mais complexas, o diretor esqueceu-se do humor.

São puro deleite cômico as cenas em que uma mulher (Lola Dueñas, de “Volver”) faz a leitura labial das imagens do making of de “Garotas e Malas”, filmado pelo filho de Martel (Rubén Ochandiano) a pedido de seu ciumento pai - um recurso que lhe permite recuperar diálogos em que Lena manifesta seu desprezo por ele.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below