26 de Maio de 2011 / às 16:22 / em 6 anos

ESTREIA-"Se Beber Não Case 2" abusa de grosseria e perde a graça

SÃO PAULO (Reuters) - Qual é o limite quando uma piada cruza a linha e deixa de ser engraçada e se torna de mau gosto?

Macaco posa na estreia do filme "Se Beber Não Case 2", no Grauman's Chinese thatre, em Hollywood, Califórnia. Foto de Arquivo. 19/05/2011 REUTERS/Mario Anzuoni

No Festival de Cannes, por exemplo, um comentário sobre Adolf Hitler numa entrevista coletiva resultou no banimento do diretor Lars Von Trier. Já em “Se Beber Não Case - Parte 2”, um macaco simulando sexo oral num monge budista ou transexuais andando nuas num camarim atravessam, no mínimo, a linha do bom gosto.

“Se Beber Não Case - Parte 2”, em circuito nacional, é mais do mesmo. Mas o que há dois anos, no primeiro filme, era engraçado, agora se torna repetitivo e exagerado.

O fiapo de narrativa que une os personagens segue mais ou menos o mesmo esquema do primeiro filme, também dirigido por Todd Phillips (que entre um e outro encontrou tempo para cometer “Um Parto de Viagem”).

Suas comédias falam do macho norte-americano na faixa dos 30 anos e, a julgar por esses filmes, esse espécime tem uma grande resistência em se tornar adulto, o que acontece de forma forçada. Seria uma boa oportunidade para satirizar o mundo contemporâneo, mas, aqui, o diretor e sua equipe perderam a medida.

Agora, o noivo é o dentista Stu (Ed Helms) que, para evitar complicações, como aquelas que aconteceram em Las Vegas, troca sua despedida de solteiro por um café da manhã.

O casamento será na Tailândia, para agradar aos pais de sua noiva, Lauren (Jamie Chung ), que moram lá. Além de seus dois melhores amigos, Phil (Bradley Cooper) e Doug (Justin Barta), eles também precisam levar o chato Alan (Zach Galifianakis) e o irmão da noiva, o gênio Teddy (Mason Lee).

Para que o filme aconteça, a situação sai de controle por um motivo que só mais tarde se saberá. Stu, Phil, Alan e Teddy caem na bebedeira e se envolvem em mil encrencas, que incluem transexuais, monges, tatuagens e um macaco traficante.

Galifianakis, por sua vez, ficou famoso com o primeiro filme e aqui se repete. Seu personagem, Alan, é um sujeito de uns 40 anos que vive com os pais, não tem emprego e depende deles para tudo, até servir o seu jantar. O ator é engraçado, até o momento em que se torna irritante com a sua ingenuidade de criança de 10 anos.

Se esse é o segundo filme de uma trilogia, o terceiro poderá muito bem seguir a moda do momento e passar-se no Rio de Janeiro. Segundo a visão equivocada que muitos gringos têm do Brasil, o tigre do primeiro filme e o macaco deste poderiam muito bem acabar andando pelas ruas da cidade.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below