7 de Outubro de 2011 / às 15:27 / em 6 anos

Festival de cinema chega a Cabul no aniversário da guerra

Por Zhou Xin

CABUL (Reuters) - Um pai procura desesperadamente por seu filho, enviado numa missão suicida. Depois de perder tudo ele termina nas ruas poeirentas de Cabul, sem-teto e enlouquecido.

A tragédia pode parecer algo comum no Afeganistão em guerra, mas desta vez, felizmente, a história de Yacoub não é verdadeira.

Em lugar disso, faz parte de um dos 50 filmes exibidos no primeiro Festival de Cinema de Direitos Humanos do Outono. O evento proporciona um palco centro-asiático para diretores do Afeganistão e outros países que tratam de questões ligadas aos direitos humanos.

“Este festival de cinema é especial quando comparado a outros aos quais já assisti, pelo fato de ser sobre direitos humanos,” disse Homayun Morowat, nascido em Cabul e diretor do filme sobre Yacoub, “An Apple from Paradise.”

O festival acontece no décimo aniversário do início da campanha militar dos EUA no Afeganistão, um momento em que as conquistas e os avanços dos últimos dez anos na área dos direitos humanos estão no centro das atenções.

A Anistia Internacional disse na quarta-feira que o governo afegão e seus apoiadores internacionais descumpriram muitas das promessas que fizeram ao povo afegão com relação a direitos humanos.

Mas a liberdade de imprensa ainda é maior no Afeganistão que em quase todos os países que o cercam, segundo o índice de Liberdade de Imprensa compilado pela organização Repórteres Sem Fronteiras, fazendo da capital afegã a escolha lógica para sediar o festival de cinema centro-asiático.

Os organizadores disseram que o festival foi planejado durante anos e que as datas foram escolhidas por razões práticas, não políticas.

Malek Shaf‘ii, executivo-chefe do Cineclube do Afeganistão, disse que o tema dos direitos humanos foi escolhido porque mais de 90 por cento dos filmes e documentários feitos por cineastas afegãos independentes tratam de problemas de direitos humanos.

“Os problemas de direitos humanos são um dos maiores desafios do Afeganistão,” disse Shaf‘ii à Reuters no fortemente vigiado Instituto Cultural Francês, no centro de Cabul, onde muitos dos filmes foram exibidos.

O Afeganistão enfrenta pobreza aguda e três décadas de guerra, que já mataram milhares de civis e mutilaram ou traumatizaram outras dezenas de milhares. Há também restrições rígidas impostas às mulheres, cujos direitos são tradicionalmente limitados.

“O primeiro passo que podemos dar para melhorar os direitos humanos é informar as pessoas dos problemas, e estamos fazendo isso para criar um vínculo entre cineastas e o público,” disse um porta-voz do festival, Hassan Zakizadeh.

O festival de cinema, que inclui 32 filmes afegãos e 18 de outros países, dura sete dias, com sessões em um cinema do centro e um auditório do Centro Cultural Francês.

Reportagem adicional de Martin Petty e Omar Sobhan

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below