13 de Fevereiro de 2015 / às 11:11 / em 3 anos

Obama vai incentivar empresas a compartilhar dados de ameaça cibernética

SAN FRANCISCO/WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, vai assinar uma ordem executiva nesta sexta-feira com o objetivo de incentivar as empresas a compartilhar com o governo e entre si mais informações sobre ameaças de segurança cibernética, em resposta a ataques como o ocorrido contra a Sony Entertainment.

Presidente dos EUA Barack Obama, na Casa Branca, em Washington. 12/02/2015 REUTERS/Jonathan Ernst

A ordem prepara o terreno para o ”compartilhamento de informação e análise de organizações” (ISAOs, na sigla em inglês), liderado pelo setor privado – centros onde as empresas trocarão dados sobre ameaças cibernéticas umas com as outras e também com o Departamento de Segurança Interna.

É uma etapa de um longo esforço para tornar as empresas, bem como os defensores dos consumidores e da privacidade, mais confortáveis com a legislação proposta, que iria oferecer às participantes proteção de responsabilidade, informou a Casa Branca.

“Acreditamos que, ao definir claramente o que contribui para uma boa ISAO, isso vai tornar a obrigação de proteção da responsabilidade a organizações setoriais mais fácil e mais acessível ao público e defensores das liberdades civis e da privacidade”, disse Michael Daniel, coordenador de Obama na área cibernética, em uma conversa com jornalistas.

Obama vai assinar a ordem durante uma conferência sobre segurança cibernética, que durará o dia inteiro, na Universidade Stanford, no coração do Vale do Silício (Califórnia).

A decisão ocorre num momento em que as grandes empresas do Vale do Silício se mostram relutantes em apoiar plenamente a obrigação de compartilhar mais informações sobre segurança cibernética sem reformas nas práticas de vigilância do governo expostas pelo ex-prestador de serviço da Agência de Segurança Nacional (NSA) Edward Snowden.

Veteranos da indústria de segurança cibernética disseram que a ordem executiva de Obama, antecipada pela Casa Branca, seria apenas um passo modesto em uma das principais prioridades do presidente: a defesa de empresas de ataques como os de que foram alvo a Sony e a Anthem <ANTM.N Inc>.

Obama propôs uma legislação para exigir maior compartilhamento de informações e limitar a responsabilidade legal para as empresas que compartilharem demais. Só o Congresso pode fornecer a proteção de responsabilidade por meio de legislação.

As empresas não estão propensas a compartilhar uma porção de dados de Inteligência cibernética “no momento oportuno” e que sejam “contestáveis legalmente” sem a isenção de responsabilidades, disse Mike Brown, vice-presidente da divisão de segurança de RSA da EMC Corp.

“Até que isso fique resolvido, provavelmente por meio de legislação, não tenho certeza de como seria uma troca contínua e eficaz de informações”, disse Brown, um oficial naval reformado e ex-funcionário na área de cibernética do Departamento de Segurança Interna.

Conseguir a aprovação de um projeto de lei no Congresso vai exigir pelo menos o apoio de grandes empresas do Vale do Silício, como Google Inc e Facebook.

As empresas, no entanto, recusam-se a dar total apoio aos projetos de segurança cibernética sem alguma reforma das práticas de vigilância expostas por Snowden, as quais prejudicaram os esforços das companhias norte-americanas de tecnologia para conseguir negócios em outros países.

(Reportagem adicional de Roberta Rampton e Jim Finkle)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below