20 de Fevereiro de 2017 / às 21:34 / em 8 meses

Empresa alemã contesta alegação de que boneca Cayla é "dispositivo de espionagem"

BERLIM (Reuters) - A distribuidora de uma boneca proibida por autoridades alemãs devido a riscos de segurança disse nesta segunda-feira que o brinquedo não é um “dispositivo de espionagem” e que seus advogados vão contestar a proibição de venda no tribunal.

A Agência Federal da Rede proibiu na sexta-feira a boneca Cayla, e recomendou aos pais que compraram o brinquedo para que seus filhos que o destruam, porque o software interno pode ser invadido, permitindo que dados pessoais sejam revelados.

A distribuidora alemã da boneca que fala, Vivid GmbH, disse que está levando as alegações “muito a sério”, mas não compartilha a opinião de que Cayla viola leis de espionagem da Alemanha.

“Ela não é um dispositivo de espionagem e pode ser usada com segurança em todos os aspectos de acordo com o manual do usuário”, disse a empresa em um comunicado em resposta a pedido da Reuters.

Por isso, a Vivid vai questionar legalmente a decisão das autoridades alemãs de proibir a boneca, afirmou.

A vigilância é uma questão delicada na Alemanha, onde a polícia secreta da Stasi, na Alemanha Oriental, e a Gestapo nazista, vigiavam de perto a população.

Reportagem de Michael Nienaber

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below