30 de Maio de 2017 / às 20:38 / em 6 meses

Russo suspeito de crimes cibernéticos contra o LinkedIn pode ser extraditado para os EUA ou Rússia

PRAGA (Reuters) - Um tribunal tcheco processou nesta terça-feira um cidadão russo que pode ser extraditado para os Estados Unidos, onde é acusado de hackear redes sociais incluindo o LinkedIn, ou para a Rússia, onde enfrenta uma acusação menor por roubo cibernético.

A polícia tcheca em cooperação com o FBI prendeu Yevgeniy Nikulin em Praga em outubro. Tanto os EUA quanto a Rússia pediram a extradição de Nikulin, colocando-o em uma disputa entre Washington e Moscou.

Um tribunal federal dos Estados Unidos acusou Nikulin de suspeita de hackear as companhias norte-americanas LinkedIn, Dropbox e Fromspring em 2012.

O LinkedIn afirmou que o caso foi relacionado com uma violação de 2012 na companhia que, segundo a empresa, poderia ter comprometido as credenciais de 100 milhões de usuários, levando a companhia a lançar um processo de redefinição de senhas.

Um tribunal de Moscou emitiu mandado de prisão em novembro pelo suposto roubo de 3.450 dólares do banco eletrônico Webmoney em 2009, disse o Ministério de Justiça tcheco.

O processo desta terça-feira, em relação ao qual ainda cabe apelação, passou a decisão final para o ministro de Justiça tcheco Robert Pelikan, que pode aprovar a extradição para um país e bloquear o outro.

Por Robert Muller e Jason Hovet

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below