4 de Outubro de 2017 / às 15:43 / em 2 meses

Unidade forense da SEC buscou recursos e treinamento antes de ciberataque de 2016

WASHINGTON (Reuters) - Em agosto de 2016, apenas dois meses antes de a Securities and Exchange Commission, órgão regular dos mercados dos Estados Unidos, descobrir que seu sistema corporativo de arquivamento de documentos havia sido invadido, o regulador interno da SEC, Carl Hoecker, recebeu um pedido de ajuda de sua nova unidade de investigação forense.

Em um memorando de três páginas que foi compartilhado com a equipe do Congresso dos EUA e visto pela Reuters, o chefe da unidade forense se queixou de “deficiências sérias” em equipamentos, treinamento inadequado de defesa cibernética e falta de comunicação com o Escritório de Tecnologia da Informação da SEC (OIT, na sigla em inglês).

A equipe da unidade forense recebeu a instrução de usar equipamento que seria descartado quando foram solicitados suprimentos e acabou por remodelando os discos rígidos dos computadores em vez disso. Seu orçamento de hardware para o ano fiscal de 2017, de 100 mil dólares, é cerca de meio milhão de dólares abaixo do que era necessário, segundo o memorando.

“Mesmo que a (Unidade de Investigações e Perícia Digital) exista há mais de um ano, não há visão estratégica ou objetivos claros”, dizia o memorando.

As preocupações expostas no memorando, no entanto, nunca foram solucionadas, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto e o Escritório do Inspetor-Geral, gerido por Hoecker, não foi notificado do vazamento de outubro de 2016 ocorrido no sistema da SEC que armazena comunicados e informações corporativas, conhecido como EDGAR, até muito meses depois.

Em agosto de 2017, quase um ano após a invasão, o Escritório do Inspetor-Geral recebeu um pedido para revisar o incidente após o presidente do conselho da SEC, Jay Clayton, ter tomado conhecimento do caso, de acordo com fontes.

Clayton vai enfrentar perguntas sobre a violação de segurança quando testemunhar perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos nesta quarta-feira.

Raphael Kozolchyk, porta-voz do Escritório do Inspetor-Geral, não respondeu a mais de meia dúzia de pedidos da Reuters para comentar. Hoecker não respondeu a um email pedindo comentários.

Por Sarah N. Lynch

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below