24 de Novembro de 2017 / às 17:44 / em 21 dias

ENTREVISTA-Pharol quer acompanhar aumento capital da Oi, estuda financiamento

LISBOA (Reuters) - A holding Pharol, maior acionista da Oi, quer participar no aumento de capital que faz parte do crucial plano de recuperação judicial da operadora de telefonia brasileira, e está estudando como se vai financiar, disse o presidente-executivo da holding, Luís Palha da Silva.

“A Pharol tem a intenção de manter a participação máxima que o processo de recuperação judicial aprovado possa permitir”, afirmou o CEO, em entrevista à Reuters, por telefone.

“Para isso, está disposta, obviamente dentro dos termos do plano que venha a ser aprovado, encontrar, caso seja necessário, alguns recursos financeiros que permitam ir a uma menor diluição”.

A Pharol detém cerca de 27,2 por cento da Oi.

“Sim, queremos manter participação, estamos à procura dos recursos que forem possíveis”, disse.

“Estamos a estudar todos os cenários e, na medida do possível, iremos concorrer para que a solidez financeira da empresa seja uma realidade, quer através de um balanço forte, quer através de uma forte capacidade para investir num setor altamente competitivo como o das telecoms no Brasil”.

Esta semana o conselho de administração da Oi aprovou ajustes ao plano de recuperação judicial da empresa, após a versão anterior ter sido criticada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

O novo plano prevê um aumento de capital tanto de acionistas como de credores. O valor injetado pelos credores poderá chegar aos 5,5 bilhões de reais, e, se os acionistas se juntarem, chegar a 8 bilhões de reais.

“Vou desmentir claramente aqueles que dizem que nós queremos ficar com 100 por cento ou 85 por cento das ações. Nego peremptoriamente que a diluição se faça em valores muito baixos, antes pelo contrário, a diluição poderá ter valores bastante significativos em alguns cenários da aprovação da recuperação judicial”, disse Luís Palha da Silva.

“Há muitos cenários e valores diferentes...A diluição é significativa para os acionistas”.

Ele acrescentou que a Pharol tem tempo para preparar a participação na chamada de capital.

“É cedo, não vai ocorrer num horizonte de dois, três meses, nem pensar nisso, portanto temos tempo para pensar em diferentes cenários e instrumentos financeiros”, disse o CEO.

O CEO acrescentou que o novo plano de recuperação judicial, que será votado pelos credores em assembleia marcada para o dia 7 de dezembro, vai ao encontro de todos as partes interessadas, incluindo os detentores de bônus.

“Estes últimos ajustamentos refletem algumas críticas que foram sendo levantadas e que se tentou responder da melhor forma possível”, frisou Luís Palha da Silva.

“Julgo que as principais questões levantadas sobretudo sobre a tesouraria da empresa depois de ter atingido a recuperação judicial (...) ficaram resolvidas”.

Contudo, sem especificar quem, o líder da Pharol lamentou a atitude pouco construtiva de alguns credores.

“Vejo que há alguns credores que pura e simplesmente não têm qualquer vontade de entrar em negociação com os outros ‘stakeholders’ da companhia e que para eles tudo isto é um processo de litigância permanente e baseado na litigância em si mesma e não na vontade de chegar a um acordo”, afirmou.

“Não estou preocupado com o calendário da Pharol, estou preocupado com o calendário da Oi. Desejaria ardentemente que ainda fosse possível chegar a acordo para que no dia 7 de dezembro pudéssemos passar a outras fases da vida da empresa”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below