30 de Novembro de 2017 / às 19:50 / em 12 dias

Google prevê novos formatos de anúncios para campanhas publicitárias voltadas a aplicativos

SÃO PAULO (Reuters) - O Google, da Alphabet, prevê uma expansão das modalidades de anúncios voltados para aplicativos em 2018, apoiado em esforços no aprendizado de máquinas para torná-las mais eficientes para os anunciantes.

Aplicativo do Google em tela de celular 15/09/2017 REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

De acordo com representantes da companhia, a Universal App Campaign (UAC), que hoje é o principal produto de publicidade para aplicativos da companhia, focará em explorar novos formatos de anúncio, principalmente no YouTube e na Play Store - loja de aplicativos do Google.

“Ano que vem a gente vai continuar otimizando e introduzindo novos formatos (de anúncios) na Play Store, que é uma grande área de foco para a gente, e YouTube também”, disse Carlos Façanha, gerente de produtos do Google no Brasil.

Uma possibilidade que vem sendo estudada é a exibição de anúncios para aplicativos em vídeos de seis segundos exibidos no YouTube antes do conteúdo que será visto pelo usuário, acrescentou.

Nos últimos três meses, o número mensal de downloads de aplicativos motivados pelo UAC no Brasil saltou 50 por cento, para 20 milhões, segundo dados fornecidos Google. No cenário global, o programa corresponde a 50 por cento de todos os downloads de aplicativos derivados de anúncios.

A companhia também pretende otimizar a atuação do UAC com aprendizado de máquinas, tecnologia fundamental para funcionamento do próprio programa e outros produtos de publicidade do Google, como o Smart Bidding - que utiliza informações como termos buscados, produtos visualizados e tipo de dispositivo utilizado para acessar o buscador para direcionar anúncios e calibrar orçamentos de campanha levando em conta os consumidores mais adequados aos objetivos da empresa anunciante.

A ferramenta, que faz parte dos produtos AdWords - voltados a anúncios no buscador -, hoje é utilizada por 72 por cento dos anunciantes brasileiros, disse a companhia.

Para 2018, o Google Brasil prevê desempenho alinhado ao que a companhia tem apresentado globalmente, mantendo o foco na receita publicitária, que é a principal fonte de recursos do Google no mundo. No último trimestre, a receita da Alphabet, holding do grupo, saltou 24 por cento, impulsionada por crescimento de anúncios em dispositivos móveis.

Por Natalia Scalzaretto

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below