December 14, 2017 / 7:01 PM / a year ago

Possível entrada de chineses na Oi pode trazer instabilidade a setor de telefonia, diz presidente da Claro

SÃO PAULO (Reuters) - A possível entrada de chineses no mercado brasileiro de telecomunicações por meio de investimento na Oi, em recuperação judicial há quase um ano e meio, preocupa e pode trazer ainda mais instabilidade para a indústria, disse nesta quinta-feira o presidente da Claro Brasil, José Félix.

“Espero que eles não entrem porque vai chacoalhar mais ainda um mercado que já está instável, doente”, afirmou o executivo a jornalistas, em São Paulo, acrescentando que esperava outra solução para o problema da Oi, cujas dívidas somam cerca de 65 bilhões de reais.

Ele destacou que a dinâmica de operação na China é muito complexa, dada a sobreposição entre o governo e as empresas. “A gente não sabe bem como funcionam as coisas por lá...empresas e governo se misturam um pouco”, comentou Félix.

A estatal China Telecom está entre os grupos interessados em injetar capital na Oi em troca de ações da empresa.

Em 3 de novembro, a Reuters noticiou que a gigante chinesa estaria disposta a investir cerca de 20 bilhões de reais para se tornar a controladora da operadora brasileira e as tratativas estariam condicionadas à aprovação do plano de recuperação judicial.

“Periga ter um monopólio estatal, só que não do nosso país”, avaliou o presidente da Claro. Ele completou, contudo, que a empresa já manifestou publicamente que não considera fazer uma oferta pela Oi.

Na opinião do executivo, o retorno do capital investido em telecomunicações no Brasil é muito baixo e o mercado nacional comporta, no máximo, três operadoras grandes. “Não é sadio o modelo atual de cinco ou seis operadoras grandes, acho que o mercado comporta, no máximo, três”, disse ele, destacando que o país tem uma das menores receitas médias por usuário do mundo.

A Claro, que integra a mexicana América Móvil, está otimista com as perspectivas para o Brasil no próximo ano e espera manter o ritmo de expansão e investimentos no país. Só com a cobertura de rede, afirmou o Félix, os gastos devem ser da ordem de bilhões de reais.

A liderança do mercado brasileiro atualmente é da Telefônica Brasil, do grupo espanhol Telefónica. Mas a Claro lidera em portabilidade de clientes desde que lançou planos ilimitados no primeiro semestre do ano, de acordo com o presidente. “Estamos ganhando (clientes) de todas”, afirmou.

Segundo o diretor executivo de Estratégia e Gestão Operacional da operadora, Rodrigo Marques, o Brasil atualmente compreende cerca de 40 por cento das operações totais do grupo, mas é possível que ultrapasse o México em representatividade em pouco anos. “O México é um mercado mais maduro e aqui no Brasil temos oportunidade de crescer bastante”, explicou Marques.

Questionado sobre o interesse da América Móvil em uma oferta inicial de ações (IPO, em inglês) da Claro no Brasil, Marques afirmou que a decisão é manter uma só entidade de capital aberto. “Não tem necessidade de abrir capital no Brasil, não faz sentido um IPO”, disse o diretor executivo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below