March 20, 2018 / 6:59 PM / in 2 months

Apple consegue liderança de dois anos em corrida para sensor 3D

Por Sonam Rai e Stephen Nellis

REUTERS/Heinz-Peter Bader

pp(Reuters) - A maioria dos telefones Android terá que esperar até 2019 para ter o recurso de detecção 3D por trás do reconhecimento facial da Apple, três grandes produtores de peças disseram à Reuters, privando a Samsung e outros de uma tecnologia que valerá bilhões de receita nos próximos anos.

O desenvolvimento de novos recursos para os estimados 1,5 bilhão de smartphones vendidos anualmente é ponto central na batalha pela participação no mercado global na última década, com a Apple, impulsionada por seu enorme orçamento de pesquisa e desenvolvimento, muitas vezes líder.

Quando o iPhone 5S foi lançado com um sensor de impressão digital de botão inicial em setembro de 2013, por exemplo, a sua maior rival Samsung levou até abril do ano seguinte para entregar o seu próprio no Galaxy S5, com outros seguindo logo depois.

Espera-se que a tecnologia de detecção 3D aprimore a próxima geração de telefones, permitindo um reconhecimento facial preciso, bem como a segurança de dados biométricos para pagamentos, detecção de gestos e experiências imersivas de compras e jogos.

A empresa de pesquisa tecnológica Gartner prevê que até 2021, 40 por cento dos smartphones serão equipados com câmeras 3D, que também podem ser usadas para a chamada realidade aumentada, ou AR, em que os objetos digitais se apegam às imagens do mundo real.

“Esse tipo de funcionalidade vai ser muito importante para AR”, disse o analista da Gartner, Jon Erensen. “Eu acho que é algo em que você não quer ficar para trás”.

De acordo com os fabricantes de peças, a Viavi Solutions, a Finisar e a Ams, os gargalos nas principais partes significarão que a adoção em massa da detecção 3D não acontecerá até o próximo ano, decepcionando expectativas anteriores.

Isso significa que as chinesas Huawei e Xiaomi e outras podem ter quase dois anos de atraso em relação à Apple, que lançou o Face ID com o seu iPhone X em setembro.

Em particular, os produtores de Android estão lutando para produzir lasers de emissão de superfície de cavidade vertical, ou VCSELs, uma parte essencial do hardware Face ID da Apple.

“Vai demorar muito tempo, para os clientes baseados em Android, para garantir capacidade em toda a cadeia de suprimentos”, disse Bill Ong, diretor sênior de relações com investidores da Viavi, visto como o único grande fornecedor de filtros ópticos necessários para os módulos de detecção 3D.

“Podemos ter uma introdução potencial de um segundo fabricante de aparelhos celulares com a detecção 3D no final deste ano calendário. (Mas) os volumes seriam muito baixos. Em 2019 você verá claramente pelo menos dois ou mais telefones baseados em Android” ele acrescentou.

Ong recusou-se a nomear a empresa que pode lançar um telefone Android com reconhecimento de rosto 3D este ano, mas disse que a Viavi estava em negociações com todos os grandes fabricantes de telefones inteligentes para fornecer os filtros.

Alguns telefones Android com capacidades de detecção 3D chegaram ao mercado em pequenos números, como o Asus ZenFone AR lançado no ano passado, mas esses modelos não usaram os sensores para reconhecimento facial como o iPhone X.

Apple, Huawei e Xiaomi recusaram-se a comentar, assim como a Samsung, cujos telefones atuais usam uma câmera padrão para reconhecimento facial.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below