March 21, 2018 / 7:36 PM / 9 months ago

Cientistas desenvolvem scanner cerebral em capacete

(Reuters) - Cientistas britânicos desenvolveram um aparelho de imagens cerebrais leve e altamente sensível que pode ser usado como um capacete, permitindo que o paciente se mova naturalmente.

Resultados dos testes do scanner mostraram que os pacientes conseguiam se alongar, acenar e até beber chá ou jogar tênis de mesa enquanto a atividade cerebral vai sendo registrada, em milissegundos, pelo sistema de magnetoencefalografia (MEG).

Pesquisadores que desenvolveram o dispositivo e publicaram os resultados na revista Nature disseram esperar que o novo scanner melhore a pesquisa e o tratamento de pacientes que não podem usar tradicionais scanners MEG fixos, como crianças com epilepsia, bebês ou pacientes com distúrbios como Parkinson.

“Isso tem o potencial de revolucionar o campo de imagens do cérebro e transformar as questões científicas e clínicas que podem ser tratadas com imagens do cérebro humano”, disse Gareth Barnes, professor do Centro Wellcome Trust de Neuroimagem Humana na University College London, que co-liderou o trabalho.

Os atuais scanners MEG podem pesar até meia tonelada, em parte porque os sensores usados para medir o campo magnético do cérebro precisam ser mantidos muito frios - a 269 graus Celsius negativos, explicou a equipe de Barnes.

Eles também se deparam com dificuldades quando os pacientes não conseguem ficar muito quietos - crianças muito jovens ou pacientes com distúrbios de movimento, por exemplo -, já que mesmo um movimento de 5 milímetros pode inutilizar as imagens.

No scanner de capacete, os pesquisadores superaram esses problemas usando sensores quânticos, mais leves, trabalham à temperatura ambiente e podem ser colocados diretamente no couro cabeludo - aumentando o sinal que são capazes de captar.

Matt Brookes, que trabalhou com Barnes e construiu o protótipo na Universidade de Nottingham, disse que, além de superar o desafio de alguns pacientes ficarem parados, o scanner portátil oferece novas opções para medir a função cerebral das pessoas durante tarefas no mundo real e interações sociais.

“Isso tem um impacto potencial significativo para a nossa compreensão não apenas da função cerebral saudável, mas também de uma série de condições neurológicas, neurodegenerativas e de saúde mental.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below