July 30, 2018 / 11:52 PM / 2 months ago

Vivendi considera vender metade de sua jóia de música UMG

PARIS (Reuters) - A Vivendi está considerando vender até metade de sua divisão de música UMG a um ou vários parceiros estratégicos, encerrando meses de especulação sobre uma possível listagem em bolsa de valores da unidade, cujo valor disparou com o sucesso de receitas de streaming.

Cantora Lady Gaga fala durante premiação do MTV Movie & TV Awards deste ano 16/06/2018 REUTERS/Mario Anzuoni

O movimento ocorre em contraste a anúncios anteriores do conglomerado de mídia francês, que até agora havia aventado a ideia de vender uma fatia minoritária do Universal Music Group (UMG), maior selo de música do mundo —considerado uma “jóia” pelos executivos da Vivendi.

A medida também ilustra a habilidade do acionista controlador da Vivendi, o bilionário Vincent Bollore, de mudar rapidamente os comandos dependendo das condições de mercado, à medida que a mais recente série de aquisições do grupo produziu resultados mistos.

A Vivendi, que reportou uma alta de 32 por cento no lucro operacional do primeiro semestre, também anunciou que entrou em negociações exclusivas com o espanhol Grupo Planeta para comprar o grupo francês de publicação Editis por um valor de 900 milhões de euros (1,05 bilhão de dólares).

A pressão tem crescido sobre a Vivendi nos últimos meses para atualizar investidores quanto aos planos para o UMG, avaliado entre 20 bilhões e 30 bilhões de euros, segundo analistas.

Artistas do UMG incluem Kendrick Lamar, Taylor Swift, Drake, Lady Gaga, The Beatles e The Rolling Stones.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below