for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Reunião dos EUA sobre Huawei não foi cancelada apesar de comentários de Trump, dizem fontes

REUTERS/Toby Melville

WASHINGTON (Reuters) - Uma reunião de autoridades do governo dos Estados Unidos para discutir novas restrições às exportações para a Huawei e a China ainda está marcada para esta quinta-feira, disseram duas fontes, apesar da reação do presidente Donald Trump contra as restrições.

A reunião, que não incluiu o mais alto-escalão do governo, foi convocada para discutir propostas, incluindo possíveis novas restrições às vendas de chips fabricados no exterior para a Huawei [HWT.UL], e nas vendas de componentes de aviões para um fabricante de aeronaves chinês.

Os formuladores de políticas estão fortemente divididos antes de uma reunião de nível ministerial marcada para 28 de fevereiro, com algumas autoridades favorecendo a adoção de uma linha-dura contra a Huawei e a China, enquanto outras estão mais focadas em priorizar os laços comerciais com Pequim. Uma das fontes disse que a reunião também não foi oficialmente cancelada.

Dúvidas surgiram sobre se as reuniões ainda ocorrerão depois que Trump divulgou na terça-feira a proposta que impediria empresas de fornecer motores de jatos e outros componentes para o setor de aviação da China.

Em uma série de tuites e comentários a repórteres, Trump disse que as preocupações de segurança nacional, frequentemente citadas como a razão da restrição dos EUA à Huawei, não devem ser usadas como desculpa para dificultar a compra de produtos norte-americanos por países estrangeiros.

Trump também apontou outra proposta que permitiria que o governo dos EUA bloqueie envios de remessas de chips de fornecedores estrangeiros que usam equipamentos dos EUA para a Huawei, um grande golpe para a empresa.

Por Mike Stone, Alexandra Alper e Karen Freifeld

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up