for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

EUA acusam instituto russo de estar ligado a grupo hacker, impõe sanções

Homem atua numa academia de combate a cyber ataques. 8/7/2019. REUTERS/Ronen Zvulun

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos adotaram nesta sexta-feira sanções contra um instituto russo de pesquisa acusado por Washington de vínculo ao desenvolvimento de um perigoso programa de computador capaz de provocar estragos em instalações industriais.

O Departamento do Tesouro dos EUA afirma que o Instituto Central de Pesquisa Científica de Química e Mecânica é apoiado pelo governo russo e que foi responsável pela “criação de ferramentas personalizadas que pemitiram ataques” contra instalações petroquímicas no Oriente Médio, em 2017.

O ataque chocou a comunidade de cibersegurança porque, diferente de uma típica invasão digital direcionada a roubo de dados ou sequestro de informações mediante resgate, pareceu direcionado a causar danos físicos à instalação petroquímica ao desligar seu sistema de segurança.

O Tesouro dos EUA citou pesquisadores que investigaram o ataque para dizer que o software envolvido na ação, chamado de Triton, “tinha capacidade de causar dano físico significativo e perdas de vidas”.

O órgão adicionou que em 2019 os responsáveis pelo Triton foram pegos sondando vulnerabilidades de pelo menos 20 instalações de energia elétrica nos Estados Unidos.

A embaixada da Rússia em Washington não comentou o assunto de imediato. A Rússia costuma negar tais acusações, vinculando-as a ciberataques executados fora do país.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up