15 de Agosto de 2017 / às 17:24 / em 4 meses

Juiz determina que LinkedIn não pode bloquear startup de acessar dados de perfis públicos

SAN FRANCISCO (Reuters) - Um juiz federal norte-americano determinou que o LinkedIn, da Microsoft, não pode impedir que startups acessem dados de perfis públicos, em um teste de quanto controle uma rede social pode exercer sobre a informação que sues usuários consideram públicas.

Logo do LinkedIn é visto em Mountain View, Estados Unidos 6/2/2013 REUTERS/Robert Galbraith/File Photo

O juiz Edward Chen, em San Francisco, concedeu uma liminar à solicitação da hiQ Labs e determinou que o LinkedIn remova, dentro de 24 horas, qualquer tecnologia que impeça a hiQ de acessar perfis públicos.

Considera-se que o caso tenha implicações além das duas empresas e pode determinar quanto as companhias têm controle sobre os dados disponíveis publicamente hospedados em seus serviços.

O LinkedIn pretende recorrer da decisão, disse a porta-voz da companhia Nicole Leverich. “Continuaremos a lutar para proteger a capacidade de nossos membros de controlar as informações que disponibilizam no LinkedIn”.

A hiQ Labs usa dados disponíveis publicamente e inteligência artificial para ajudar empresas a identificar potenciais clientes. Os dados do LinkedIn são usados para criar algoritmos capazes de prever os comportamentos dos funcionários, como quando eles deixariam o emprego.

Por Salvador Rodriguez

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below