September 24, 2018 / 5:42 PM / 3 months ago

Argentina agora é o mercado de maior crescimento do Uber

BUENOS AIRES/SÃO PAULO (Reuters) - O mercado de maior crescimento do Uber no mundo agora é a Argentina, disseram executivos da empresa, atribuindo a expansão ao súbito desmantelamento econômico do país, que impulsionou o desemprego e cortou o poder de compra dos argentinos.

Homem chega a sede da Uber 02/02/2017 REUTERS/Brendan McDermid

    Vinte por cento dos motoristas da companhia em Buenos Aires, a única cidade onde ela opera na Argentina, estavam desempregados imediatamente antes de ingressar na Uber.

    A desaceleração econômica “certamente ajudou muitas pessoas a nos acharem uma fonte alternativa de renda”, disse Felipe Fernandez Aramburu, que dirige o desenvolvimento de negócios do Uber na Argentina, em entrevista recente à Reuters.

    Apesar das preocupações com a economia do país, que encolheu 4,2 por cento no segundo trimestre após o banco central subir as taxas para evitar uma crise cambial, o Uber diz não temer que uma recessão possa impulsione o número de motoristas sem um aumento equivalente na demanda.

    “Nosso crescimento hoje tem menos a ver com condições econômicas dos motorista”, disse Andrew Macdonald, que dirige o Uber na América Latina. Macdonald atribui o movimento ao que descreve como escassez de opções de transporte público para aumentar a demanda na Argentina e disse que o crescimento foi maior nos bairros com menos serviços de ônibus e trem.

    Mas a unidade argentina do Uber ainda enfrenta dificuldades: para a maioria dos passeios, a empresa não cobra dos motoristas a comissão de 25 por cento teoricamente devida. Devido a obstáculos legais e regulatórios, as corridas de Uber na Argentina só podem ser pagas em dinheiro ou cartões de crédito emitidos no exterior, o que quase nenhum local tem.

     Quando os passeios são pagos em dinheiro, os motoristas atualmente não têm como pagar à Uber sua comissão de 25 por cento, deixando muitos com uma dívida crescente com a empresa. Comissões de motoristas são a única fonte de receita da Uber.

    O enigma argentino do Uber de ser incapaz de lucrar com seu rápido crescimento reflete um problema mais amplo para o serviço de transporte por aplicativo, que tem lutado para provar que pode ser lucrativo, à medida que se prepara para uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) planejada para 2019.

MUITOS MOTORISTAS

Macdonald minimizou essas preocupações, no entanto.

    “Não é sobre ganhar dinheiro no curto prazo”, disse ele, acrescentando que a empresa “eventualmente” terá que cobrar essas comissões.

    Macdonald não disse se o mercado argentino é lucrativo. O Uber divulgou que suas operações no Brasil - agora o segundo maior mercado da empresa em todo o mundo - são lucrativas.

    Uma vez que o Uber possa aceitar cartões de crédito e débito locais poderá recuperar o que lhe é devido, disse a empresa.

    Mas motoristas dizem que a atual taxa de crescimento argentino pode ser temporária, ligada à falta de comissão.

    “O que está acontecendo é que há muitos motoristas e, portanto, há menos trabalho para nós”, disse Jorge, motorista de Uber de 62 anos que pediu anonimato. “Todo mundo está vindo para o Uber porque eles não cobram uma comissão”.

O Uber diz que nos últimos três meses teve 55 mil motoristas ativos e 1 milhão de usuários ativos em Buenos Aires. A cada dia, a empresa disse que adiciona entre 300 e 400 novos motoristas e 7.000 novos usuários.

O Uber opera na Argentina desde 2016, quando enfrentou resistência agressiva de taxistas e autoridades governamentais, incluindo disputas legais que levaram à proibição de pagamentos com cartão de crédito que ainda estão em vigor.

Não há uma estrutura regulatória para o Uber em Buenos Aires, incluindo a forma de o governo cobrar impostos sobre as corridas.

Macdonald disse que o Uber aceita regulamentação favorável e que aceitar cartões de crédito locais é uma prioridade, o que fará com que mais motoristas paguem sua comissão de 25 por cento, mas também possam aumentar os negócios da Uber.

Reportagem adicional Miguel Lo Bianco e Heather Somerville

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below