October 16, 2018 / 3:41 PM / a month ago

Centro de comando militar cibernético da Otan estará em plena operação em 2023

MONS, Bélgica (Reuters) - Um novo centro de comando militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para deter hackers deve contar com uma equipe completa em 2023 e será capaz de montar seus próprios ataques cibernéticos, mas a aliança ainda está lutando com as regras básicas para isso, disse nesta terça-feira um general sênior a Alemanha.

27/12/ 2014. REUTERS/Dado Ruvic

Embora a Otan não tenha suas próprias armas cibernéticas, a aliança liderada pelos Estados Unidos estabeleceu um centro de operações em 31 de agosto em seu centro militar na Bélgica. Os EUA, o Reino Unido, a Estônia e outros aliados estão desde então oferecendo suas capacidades cibernéticas.

“Este é um domínio emergente e a ameaça está crescendo”, disse o general Wolfgang Renner, comandante da força aérea alemã que supervisiona o novo centro de operações cibernéticas em Mons.

“Temos que estar preparados para executar operações no espaço cibernético. Já fomos além da proteção e prevenção”, disse ele à Reuters durante uma conferência da Otan sobre ciberespaço.

As redes de computadores e comunicação da Otan enfrentam centenas de tentativas de invasão todos os meses, segundo a Agência de Comunicação e Informação da Otan. Especialistas afirmam que a Rússia, a Coreia do Norte e a China estão constantemente implantando sofisticadas armas cibernéticas e software de vigilância.

As acusações feitas por governos ocidentais neste mês, de que a Rússia promoveu uma campanha global de hackers, elevaram o perfil da estratégia em evolução da Otan, na medida em que os governos aliados buscam responder a tais ataques. A União Europeia discutiu na segunda-feira suas opções, incluindo um regime especial de sanções econômicas contra os cibercriminosos.

“Nosso objetivo final é estar completamente consciente do nosso ciberespaço, entender minuto a minuto o estado de nossas redes para que os comandantes possam confiar nelas”, disse Ian West, chefe de segurança cibernética da agência de comunicação da Otan.

Quando estiver totalmente operacional, o centro cibernético pretende coordenar a dissuasão da Otan por meio de uma equipe de 70 especialistas apoiados por inteligência militar e informações em tempo real sobre hackers, desde militantes islâmicos até grupos do crime organizado que operam em nome de governos hostis.

A Otan reconheceu formalmente o ciberespaço como uma nova fronteira na defesa, juntamente com a terra, o ar e o mar, o que significa que as batalhas poderiam, a partir de agora, ser travadas em redes de computadores.

O centro pode potencialmente usar armas cibernéticas que podem derrubar mísseis inimigos ou defesas aéreas, ou destruir redes de computadores de inimigos se os comandantes julgarem que um ataque cibernético é menos prejudicial à vida humana do que uma ofensiva tradicional com armamento vivo.

Por Robin Emmott

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below