November 1, 2018 / 4:40 PM / 11 days ago

China exporta políticas de censura à internet para dezenas de países, diz relatório

Ambiente central da Conferência de Segurança na Internet 2018 em Pequim, China 04/09/2018 REUTERS/Jason Lee

SÃO FRANCISCO (Reuters) - A política restritiva à internet e a vigilância digital da China se espalharam pelo mundo nos últimos dois anos, com seu governo treinando países emergentes e suas empresas fornecendo as ferramentas, diz um relatório anual de um grupo de monitoramento da democracia.

A Freedom House, cujo principal financiador é o governo dos Estados Unidos, disse em seu relatório de quarta-feira que a exportação do “autoritarismo digital” da China se tornou uma grande ameaça à manutenção da governança democrática em alguns países.

O diretor de pesquisa da Freedom House, Adrian Shahbaz, disse que os governos começaram a justificar o aumento da censura e diminuíram as proteções à privacidade digital dizendo que as políticas combatem a disseminação de notícias falsas e ajudam a capturar criminosos. Na verdade, os países estão usando as restrições para violar os direitos humanos, disse.

A Freedom House afirmou que a China lidera a acusação. O país realizou seminários sobre gestão do ciberespaço desde o início de 2017, com representantes de 36 dos 65 países monitorados pela organização, incluindo nações do Oriente Médio e do Sudeste Asiático. Os 65 países representam 87 por cento dos usuários de internet do mundo, disse o grupo.

As conversas com autoridades chinesas precederam as novas medidas de segurança cibernética no Vietnã, Uganda e Tanzânia no último ano, disse a Freedom House depois de revisar os artigos da mídia estatal chinesa e comunicados à imprensa do governo.

Enquanto isso, as empresas chinesas de tecnologia forneceram ou estão prontas para fornecer equipamentos de internet a pelo menos 38 países rastreados e sistemas de inteligência artificial para aplicação da lei em 18 países, segundo o relatório.

Falando em Pequim, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, disse que as acusações feitas no relatório eram “não-profissionais e irresponsáveis” e “não tinham fundamento na verdade”. Ele não elaborou.

O declínio da liberdade na internet tem sido uma tendência global consistente por quase uma década. E os investimentos estrangeiros chineses e os esforços de influência não são novos. Mas a Freedom House disse que a ameaça aos direitos humanos cresceu à medida que tecnologias poderosas se tornam mais acessíveis aos governos e seus povos.

Como notícias falsas sobre mídia social se tornaram um problema central, os governos estão usando isso como uma “abertura para a censura”, disse a repórteres Michael Chertoff, presidente do grupo e ex-secretário de Segurança Interna dos EUA.

Por Paresh Dave

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below