August 27, 2019 / 10:37 PM / 3 months ago

Ex-engenheiro do Google é indiciado por roubar segredos de carros autônomos antes de ir para o Uber

Por Alexandria Sage e Dan Levine

Miles Ehrlich, advogado de defesa do engenheiro do Uber, Anthony Levandowski, fala com jornalistas na Califórnia. 27/8/2019. REUTERS/Alexandria Sage

(Reuters) - Anthony Levandowski, pioneiro na tecnologia de carros autônomos, foi acusado criminalmente nesta terça-feira por roubar segredos comerciais de seu ex-empregador Google, antes de ir para o Uber.

    A acusação espelha amplamente as alegações de que a Waymo, da Alphabet, também dona do Google, onde Levandowski trabalhou, fez um processo em 2017 contra o Uber, mais tarde resolvido.

    Os advogados de Levandowski disseram que ele não roubou nada e que esperam provar sua inocência no julgamento. Levandowski, de 39 anos, declarou-se inocente das acusações.

    O juiz estabeleceu um pacote de fiança preliminar de 300 mil dólares em dinheiro e a garantia de duas propriedades no valor de 2 milhões de dólares.

    Levandowski entregou seus passaportes americano e francês e usará uma tornozeleira eletrônica para monitorar seu paradeiro. Um promotor expressou receio de que Levandowski possa fugir. Ele pode pegar até 10 anos de prisão em cada caso, se condenado.

    A acusação de Levandowski é um dos casos de roubo de segredos comerciais mais conhecidos do Vale do Silício, à medida que os engenheiros correm para desenvolver tecnologia para veículos autônomos, que os especialistas do setor veem como uma oportunidade de mercado de 1 trilhão de dólares em três décadas.

    Os promotores acusaram Levandowski de roubar materiais no final de 2015 e no início de 2016 ligados à tecnologia de carros autônomos da Waymo. Eles dizem que ele fez isso após decidir sair e formar sua própria empresa autônoma, a Ottomotto, que o Uber comprou mais tarde.

    Todas as pessoas são livres para mudar de emprego, disse o advogado dos EUA, David Anderson. “Mas o que não podemos fazer é encher nossos bolsos a caminho da porta.”

    Anderson se recusou a responder à pergunta de um repórter sobre se o Uber também poderia enfrentar acusações criminais. Um porta-voz da Uber disse que a empresa cooperou com o governo durante toda a investigação e que continuaria a fazê-lo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below