July 14, 2020 / 3:29 PM / 22 days ago

Líder separatista catalão diz que foi alvo de espionagem política

BARCELONA (Reuters) - O presidente do Parlamento regional da Catalunha, Roger Torrent, um dos líderes da campanha pela independência da região, disse nesta terça-feira que foi alvo de espionagem política por meio de uma escuta telefônica, acusando o governo espanhol de ser cúmplice ou negligente.

Presidente do Parlamento regional da Catalunha, Roger Torrent, um dos líderes da campanha pela independência da região 27/01/2020 REUTERS/Albert Gea

As tensões entre os líderes separatistas catalães e o governo de Madri estão altas há anos, e uma reportagem publicada nos jornais Guardian e El País segundo a qual o telefone de Torrent foi grampeado dificilmente ajudará.

“Na Espanha, está se realizando espionagem política contra adversários políticos”, disse Torrent.

“Se o governo espanhol tinha conhecimento disto, terá sido cúmplice de um crime. Se não tinha conhecimento disto, seria um sintoma muito preocupante de negligência política e falta de consciência de supostas práticas ilegais”.

Mais cedo nesta terça-feira, o escritório do primeiro-ministro espanhol disse que o governo “não está ciente” de qualquer espionagem e acrescentou: “Qualquer intervenção em um celular sempre é realizada de acordo com a lei que exige autorização judicial”.

O porta-voz de Torrent disse que ele “não está envolvido em atividades criminais, como terrorismo ou tráfico de drogas, que justificariam uma ordem para intervir em seu telefone”.

Guardian e El País escreveram que Torrent e dois outros separatistas foram alertados por pesquisadores que trabalham com o WhatsApp que seus telefones foram invadidos com um programa de espionagem chamado Pegasus, desenvolvido pela empresa israelita NSO Group.

O NSO, que tem entre os clientes forças da lei e governos de todo o mundo, não quis dizer se vendeu o Pegasus à Espanha, mas disse que o software é operado “unicamente por agências de governo autorizadas para combater o terror e crimes graves e proteger a segurança pública”.

O Facebook, que é dono do WhatsApp, não quis comentar a alegação de que o celular de Torrent foi grampeado.

No ano passado, o WhatsApp disse que 1.400 de seus usuários foram alvo do Pegasus e que o ataque usou seu sistema de videochamada para enviar vírus danosos a aparelhos portáteis.

O Pegasus foi ligado a episódios de vigilância política no México, nos Emirados Árabes Unidos e na Arábia Saudita, de acordo com o Laboratório do Cidadão da Universidade de Toronto, que pesquisa a vigilância digital.

Por Inti Landauro, Joan Faus, Belén Carreño, Tova Cohen, Akanksha Rana

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below