14 de Maio de 2008 / às 14:08 / em 10 anos

Oi e BrT vivem movimentação de executivos antes mesmo da união

Por Taís Fuoco

SÃO PAULO (Reuters) - As operadoras de telefonia Oi e Brasil Telecom sofreram recentemente perda de executivos, apesar da movimentação aparentemente não estar relacionada à proposta de compra da Brasil Telecom pela Oi, esperada desde o início deste ano e formalizada pela Oi no dia 25 de abril.

A Oi perdeu para a rival Claro a executiva Fiamma Zarife, que há cerca de dois meses assumiu a diretoria de serviços de valor agregado da empresa de controle mexicano, segundo informado nesta terça-feira pela organização do seminário Tela Viva Móvel, do qual ela foi uma das palestrantes.

Na Oi, Fiamma era gerente de serviços de valor adicionado e, na Claro, ela veio substituir Marco Quatorze, promovido para as operações de valor adicionado de todo o grupo América Móvil.

O executivo Rafael Magdalena, por sua vez, deixou a operação móvel da Brasil Telecom, onde era gerente de serviços de valor agregado, esta semana rumo à Pure Bros, empresa de Porto Alegre (RS) -- terra natal do executivo -- que promove integração entre conteúdos oferecidos no celular.

De acordo com a assessoria de imprensa da Pure Bros, ele foi convidado pelos sócios da companhia para assumir o cargo de presidente-executivo, posição que ainda não existia na Pure Bros.

A transação de compra da Brasil Telecom pela Oi ainda tem diversas etapas a serem cumpridas. A mais complexa delas envolve a mudança na lei, já que o atual Plano Geral de Outorgas (PGO) proíbe que uma empresa detenha duas concessões públicas de telefonia, como será o caso nessa união.

A equipe técnica da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deve sugerir as mudanças, colocá-las em consulta pública e depois avaliar todas as sugestões recebidas para chegar a um documento final.

Esse documento deve servir de base para o decreto presidencial necessário para efetivar a mudança.

Do lado das empresas, também se trata de um processo amplo, já que há várias figuras jurídicas envolvidas. Além disso, haverá ofertas públicas pelas ações ordinárias e preferenciais da Brasil Telecom e a própria Oi ganhará uma nova composição acionária, com saída de alguns dos atuais acionistas e mudança nas atuais participações.

Por isso, as estimativas que circulam neste momento para a a conclusão do negócio vão de setembro deste ano ao início de 2009.

Edição de Vanessa Stelzer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below