16 de Julho de 2009 / às 18:12 / 8 anos atrás

Facebook tem falhas de privacidade, diz órgão canadense

Por Randall Palmer

OTTAWA (Reuters) - O site de rede social Facebook não está fazendo o suficiente para proteger as informações pessoais que obtém de seus assinantes, e dá aos seus usuários informações confusas e incompletas, afirmou a encarregada pela defesa da privacidade do governo canadense nesta quinta-feira.

“Está claro que as questões de privacidade estão em primeiro lugar para o Facebook, mas ainda encontramos graves falhas na forma como o site opera”, disse Jennifer Stoddart no relatório sobre uma investigação do Facebook.

O relatório diz que o Facebook viola as leis de privacidade do Canadá ao armazenar em suas bases de dados as informações pessoais de pessoas que desativaram suas contas no site por tempo indeterminado.

O site ainda fornece informações confusas sobre suas práticas de privacidade, como por exemplo ao mostrar aos usuários como desativar suas contas mas não como apagá-las.

O Facebook informou Stoddart que precisava manter os dados pessoais de contas fechadas porque cerca de metade delas são reativadas por seus donos.

O relatório diz ainda que o Facebook contestou vigorosamente algumas de suas conclusões preliminares, e nesta quinta-feira, o Facebook afirmou que vai continuar trabalhando com ela para tratar de áreas pendentes e para tornar seus usuários mais cientes dos controles de privacidade.

O Facebook conta com 200 milhões de usuários ativos, incluindo cerca de 12 milhões somente no Canadá --mais de um terço da população canadense.

Stoddart também afirmou que o Facebook carece de proteção adequada para prevenir o acesso não-autorizado de desenvolvedores externos às informações pessoais dos usuários. O Facebook conta com mais de 950 mil desenvolvedores externos, em 180 países diferentes.

Ela afirmou que o Facebook já havia resolvido alguns problemas e deu ao site 30 dias para cumprir uma série de “recomendações”.

A investigação foi aberta em resposta a reclamações recebidas pela Canadian Internet Policy and Public Interest Clinic (CIPPIC), da Universidade de Ottawa. Stoddart tem a autoridade para solicitar aos tribunais canadenses que executem suas recomendações.

Em comunicado, o Facebook afirmou que está “satisfeito que (Stoddart) descartou a maior parte das alegações incorretas trazidas pela CIPPIC e que eles puderam resolver de forma colaborativa outros problemas levantados pela reclamação”.

Acrescentou ainda: “Como parte de nosso pioneirismo contínuo no desenvolvimento de ferramentas de privacidade para avançar o controle do usuário sobre suas informações, o Facebook logo irá introduzir ao seu serviço uma série de novas ferramentas adicionais de privacidade que, acreditamos, manterão o site na vanguarda em termos de privacidade do usuário.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below