20 de Agosto de 2009 / às 11:07 / em 8 anos

Alta em Xangai volta a puxar bolsas da Ásia para cima

Por Eric Burroughs

HONG KONG (Reuters) - Ações chinesas registraram ganhos nesta quinta-feira, após duas semanas de vendas generalizadas. O movimento impulsionou um avanço das demais bolsas asiáticas e das commodities, apesar de muitos investidores continuarem ainda preocupados com a possibilidade do declínio do mercado de Xangai não ter acabado.

Os preços do petróleo avançaram durante a sessão, enquanto os metais apresentaram bom desempenho, com o cobre se recuperando da mínima em duas semanas.

O indicador da bolsa de XANGAI saltou 4,52 por cento, para 2.911 pontos, ajudado por notícias de que o órgão regulador do mercado acionário aprovou novos fundos mútuos para ajudar a sustentá-lo após queda acumulada de quase 20 por cento desde que atingiu máxima em 14 meses no início do mês.

Os ganhos registrados em outro dia marcado por volatilidade estimularam outros mercados, que vinham sendo abatidos por quedas inesperadas em Xangai este mês.

A bolsa de TÓQUIO subiu 1,76 por cento, para 10.383 pontos, em recuperação após alcançar o menor patamar de fechamento em três semanas. Investidores se mostraram encorajados com a firmeza das ações chinesas e por papéis ligados a recursos naturais.

Apesar da melhora observada nesta quinta-feira, analistas afirmaram que o mercado está maduro para uma correção após ganhos do Nikkei de mais de 40 por cento frente às mínimas de março. Alguns ainda disseram que os investidores provavelmente usaram a fraqueza do mercado acionário da China como desculpa para realizar lucros.

“A confiança ainda está frágil, já que as ações japonesas e norte-americanas estão em uma fase natural de correção”, disse Mitsushige Akino, gerente-chefe de fundos da Ichiyoshi Investment Management.

“Os investidores no mercado chinês também estão realizando lucros em parte devido a preocupações sobre um política monetária mais apertada após terem avançado acentuadamente”, acrescentou Akino.

Alguns observadores do mercado suspeitam que companhias estatais possam ter encaminhado empréstimos recebidos este ano, que integraram os mais de 1 trilhão de dólares em novos financiamentos bancários concedidos no primeiro semestre, para ações e agora estão retirando esses recursos para colocar em projetos relacionados ao programa de estímulo econômico.

“É isso que o governo quer. Eles não querem que uma bolha de ativos estoure muito cedo na recuperação”, afirmou Jerry Lou, estrategista do Morgan Stanley, em Hong Kong. “Não estamos vendo o início de uma tendência de baixa do mercado. Os fundamentos estão muito sólidos.”

Ações negociadas em SYDNEY ganharam 0,08 por cento, enquanto CINGAPURA subiu 1,46 por cento e SEUL teve oscilação positiva de 1,97 por cento.

O mercado de HONG KONG avançou 1,88 por cento. Na contramão, TAIWAN cedeu 0,82 por cento.

Às 7h38 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne as principais bolsas da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão subia 1,35 por cento, a 356 pontos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below