13 de Junho de 2011 / às 14:49 / 6 anos atrás

Ataque de hackers ao FMI reforça apelos por ação mundial

Por Peter Apps

LONDRES (Reuters) - Os governos, empresas multinacionais e instituições mundiais estão perdendo a batalha contra os hackers, e precisam combinar seus recursos se desejam evitar intrusos, afirmam especialistas.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) se uniu à Sony e Google na lista cada vez mais extensa de vítimas de ataques de hackers, mas é difícil identificar os culpados, que sempre conseguem se manter um passo adiante dos perseguidores, em termos de tecnologia.

“Trata-se de um exemplo de a tecnologia se desenvolvendo mais rápido que as estruturas e ocasionalmente a regulamentação que a cerca”, disse Paul Polman, presidente-executivo da Unilever, em entrevista durante uma reunião do Fórum Econômico Mundial em Jacarta.

Os especialistas em segurança da computação dizem que a única maneira de combater efetivamente essa ameaça é que os setores público e privado unam forças e combinem maior regulamentação a ação internacional.

“Está claro que estamos perdendo a batalha”, disse Vijay Mukhi, um dos principais especialistas indianos em segurança da computação.

“Não estamos fazendo o bastante... a cada ano esperamos que as coisas venham a mudar, mas agora pessoas como eu já se tornaram cínicas. Seria necessária uma cooperação em escala mundial”, disse.

No começo do mês, o gigante da Internet Google imputou a hackers chineses uma tentativa de obter acesso às contas de ativistas, funcionários de governos e outras pessoas no Gmail.

A gigante do entretenimento Sony sofreu sérios danos à sua reputação depois que hackers ganharam acesso a informações pessoais sobre milhares de usuários da PlayStation Network, enquanto Lockheed Martin e Citigroup também reportaram tentativas de roubo de dados.

A crescente complexidade e seriedade dos ataques de hackers começa a remover parte do estigma de ser vítima desse tipo de abuso, e empresas, governos e organizações compreendem que devem trabalhar juntos.

“Houve mudança real”, disse John Bassett, pesquisador de segurança na computação do Royal United Services Institute, em Londres, e ex-dirigente do GCHQ, a agência britânica de monitoração de comunicações.

“Há muito mais consciência da ameaça e as organizações são mais abertas sobre os ataques que enfrentam. A Lockheed, Google e agora o FMI estão mostrando mais franqueza que as organizações teriam exibido um ano atrás”, disse.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below