17 de Agosto de 2011 / às 21:48 / 6 anos atrás

SAIBA MAIS-Veja detalhes de projeto que regula a TV paga

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - O projeto de lei 116 (PL-116) permite que as concessionárias de telefonia entrem no segmento de TV paga, além de regular o conteúdo nacional na programação das emissoras.

O PL-116, aprovado no Senado na terça-feira, deve trazer mudanças para todo o setor de telecomunicações e originar investimentos bilionários nos próximos anos para aumentar a qualidade das redes e até triplicar a base de assinantes de TV paga.

O projeto também implica abertura do mercado para empresas estrangeiras, que poderão aumentar participações em operadoras de TV por assinatura no país.

Veja a seguir as principais características da lei:

ESTRUTURAÇÃO DO SETOR:

-A lei divide as companhias do setor audiovisual em quatro categorias: produtora, que produz o conteúdo, programadora, responsável por organizar um canal da programação, empacotadora, que agrupa os canais em pacotes, e distribuidora, que faz a entrega dos pacotes para o consumidor.

ABERTURA DO MERCADO:

-Empresas de telecomunicações podem entrar no mercado de TV paga, na comercialização do conteúdo e prestação de serviços ao assinante, compartilhando sua infraestrutura.

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE:

-O projeto limita a 50 por cento a participação de companhias de radiodifusão, produtoras e programadoras brasileiras no capital total e votante das operadoras de telefonia de forma direta, indireta ou por meio de empresa de controle comum com sede no Brasil.

-As operadoras de telecomunicações terão participação em companhias de radiodifusão, produção de conteúdo e programação limitada a 30 por cento.

-Empresas de produção de conteúdo e programação brasileiras devem ter ao menos 70 por cento de capital nacional.

-A participação de capital estrangeiro nas empacotadoras e distribuidoras fica liberada, desde que a gestão seja feita no Brasil, devido à revogação da lei anterior para o setor, segundo apresentação do senador Walter Pinheiro (PT-BA), relator do projeto no Senado.

-É permitido que as operadoras controlem direta ou indiretamente produtoras ou programadoras com sede no Brasil que comercializem produtos e serviços apenas no exterior. Elas não podem adquirir direitos de obras nacionais ou contratar artistas nacionais, exceto no segmento de publicidade.

FISCALIZAÇÃO E INCENTIVO AO CONTEÚDO NACIONAL:

-A Agência Nacional do Cinema (Ancine) passa a fiscalizar o conteúdo da programação e de empacotamento dos serviços de TV paga.

-De cada três canais qualificados de um pacote ofertado ao assinante, um terá que ser brasileiro, até o limite de 12 canais nacionais. Canais qualificados são ocupados principalmente por filmes, documentários ou séries no horário nobre.

-Ao menos 3 horas e meia da programação semanal exibida no horário nobre de canais qualificados deve ser brasileira, da qual metade deve ser de produtoras independentes.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below