17 de Março de 2012 / às 13:52 / 5 anos atrás

Reguladores dos EUA investigam violação de privacidade do Google

Um empregado caminha ao lado do logotipo do Google em frente à sua antiga sede, em Pequim, 2 de junho de 2011. A Comissão de Comércio Federal dos EUA está analisando se o Google enganou os consumidores ao plantar os chamados cookies de Internet no navegador da Apple sem o consentimento dos usuários, informou a Bloomberg na sexta-feira citando fontes.Jason Lee

Por Liana B. Baker

17 Mar (Reuters) - A Comissão de Comércio Federal dos EUA está analisando se o Google enganou os consumidores ao plantar os chamados cookies de Internet no navegador da Apple sem o consentimento dos usuários, informou a Bloomberg na sexta-feira citando fontes.

A agência está investigando se os cookies permitiram que a empresa direcionasse publicidade para usuários do navegador Safari e também se o Google violou outras regras envolvendo o consentimento dos consumidores.

Um representante do Google respondeu em e-mail à Reuters que a empresa criou um link de comunicação temporária do Safari com os servidores do Google que ajudou a determinar se os usuários do Safari também eram assinantes do Google e tinham optado por anúncios personalizados e outros conteúdos.

Entretanto, o navegador continha uma funcionalidade que, em seguida, habilitava outros cookies de publicidade do Google para serem instalados no browser, disse o e-mail.

"Vamos, com certeza, colaborar com qualquer autoridade que tenha dúvidas", afirmou o e-mail, acrescentando que a empresa está removendo esses cookies de publicidade do Safari.

A Bloomberg também informou que a Comissão de Comércio Federal está investigando se o Google violou um decreto de consentimento com a comissão assinado no ano passado.

A comissão não respondeu imediatamente a um pedido de comentário na sexta-feira.

Na quinta-feira foi noticiado que a comissão pediu à Apple para obter mais informações sobre como ela incorpora a função de busca do Google em seus produtos. O gigante de busca na Internet foi acusado de usar sua influência no mercado de buscas para excluir rivais, como a busca de viagens, colocando-os para baixo nos resultados de pesquisas.

Em janeiro, reguladores expandiram a investigação para incluir o Google+, a nova ferramenta de rede social da empresa, que foi lançada em junho do ano passado e oferece muitos dos recursos disponíveis no Twitter e no Facebook.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below