23 de Abril de 2012 / às 19:23 / em 6 anos

Setor brasileiro de tecnologia quer mais, depois do Instagram

Por Esteban Israel

SÃO PAULO, 23 Abr (Reuters)- A aquisição do Instagram pelo Facebook este mês, por um bilhão de dólares, criou uma nova lenda no setor de tecnologia e transformou em herói o brasileiro Mike Krieger, co-fundador do aplicativo fotográfico.

O próximo desafio para os colegas locais de Krieger na tecnologia: conquistar o sucesso sem trocar o Brasil pelo Vale do Silício ou por uma universidade de elite nos Estados Unidos.

E a tarefa está se tornando mais fácil. O florescente setor tecnológico brasileiro vem atraindo o interesse de fundos de capital para empreendimentos, que estão adquirindo participações em empresas brasileiras de Web em ritmo sem precedentes.

O principal atrativo para os investidores é o maior mercado de consumo da América Latina. O Brasil já gasta 13 bilhões de dólares online a cada ano, e apenas 40 por cento dos brasileiros usam a Internet -uma proporção equivalente à metade da norte-americana, mas que está crescendo rapidamente.

Os maiores nomes da Internet estão correndo para reforçar sua presença no Brasil, ainda que o investimento mais amplo no país tenha se estagnado nos últimos meses devido a uma desaceleração no crescimento.

O Facebook triplicou seu número de usuários brasileiros no ano passado, e o país é agora seu terceiro maior mercado. A Netflix iniciou um serviço de vídeo em formato stream no mercado brasileiro, e a Amazon.com deve ingressar no mercado este ano, de acordo com fontes do setor.

Os investimentos do setor de capital para empreendimentos no Brasil quase triplicaram no ano passado, de acordo com estimativas informais. A entrada de capital novo provocou disparada na avaliação de companhias locais, a um ponto que levou certos observadores a alertar quanto ao perigo de uma bolha.

“No começo de 2012, nenhum fundo de capital para empreendimentos havia investido no Brasil. Agora, mais de uma dúzia deles, os maiores do mundo, estão desesperadamente em busca de investimentos aqui”, disse Julio Vasconcellos, presidente-executivo do site de descontos Peixe Urbano, uma das empresas de Internet iniciantes de maior sucesso no Brasil.

Em janeiro, a Morgan Stanley Investment Management e a T. Rowe Price Associates realizaram investimento de valor não revelado na empresa de Vasconcellos. Foi a terceira injeção de capital que ela recebeu em pouco mais de um ano.

ESCASSEZ DE TRABALHADORES CAPACITADOS

Ainda assim, alguns analistas alertam que os mesmos gargalos que prejudicam outros setores podem ameaçar o nascente boom da tecnologia brasileiro, que já enfrenta falta de trabalhadores capacitados, burocracia sufocante e a disparada no custo de vida.

O Brasil também não dispõe de um ecossistema empresarial forte e de serviços jurídicos baratos, e tampouco de promoção fácil ou jovens talentos, de acordo com Dave Goldberg, que comanda a SurveyMonkey, companhia de pesquisas online.

“Quando entra muito capital e esses outros elementos não existem, o valor das coisas se inflaciona”, disse Goldberg, de Paulo Alto, que visitou São Paulo para estabelecer uma presença para sua companhia.

“Há quem diga que isso já está acontecendo, que as avaliações estão começando a escapar ao controle”, disse.

SETOR EM AMADURECIMENTO

Mas outros dizem que o setor de capital para empreendimentos aprendeu sua lição com a bolha da Internet no final dos anos 90.

“Ninguém se dispõe a pagar preços muito mais altos que o valor dos ativos e a correr o risco de não obter retornos”, disse Clovis Meurer, presidente da Venture Capital Association do Brasil.

O Kaszek Capital, fundo de 100 milhões de dólares que investiu em 16 empresas latino-americanas iniciantes, mais de metade das quais brasileiras, diz que os preços continuam razoáveis.

“No geral, vemos boas oportunidades de investir em companhias com avaliações justas”, disse Nicolas Szekasy, sócio do Kaszek. “Há empresários excelentes que estão visando a mercados interessantes”.

Os investidores parecem mais preocupados com a escassez de programadores talentosos, engenheiros treinados e empresários experientes.

“Não basta ter dinheiro. É preciso pessoas que já tenham feito esse tipo de coisa e possam orientar os novatos”, disse Goldberg, da SurveyMonkey.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below