12 de Junho de 2012 / às 17:58 / em 6 anos

Assange, do WikiLeaks, recorre contra extradição para Suécia

LONDRES, 12 Jun (Reuters) - O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, apelou contra a decisão da Suprema Corte da Grã-Bretanha de autorizar sua extradição para a Suécia por supostos crimes sexuais.

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, fala numa coletiva de imprensa em Londres, 27 de fevereiro de 2012. Assange apelou contra a decisão da Suprema Corte da Grã-Bretanha de autorizar sua extradição para a Suécia por supostos crimes sexuais. REUTERS/Finbarr O'Reilly

Duas semanas atrás, os juízes da corte superior britânica rejeitaram seu argumento por maioria de 5 x 2 de que um mandado de detenção europeu para a sua extradição era inválido, aparentemente colocando um fim a uma batalha legal de 18 meses.

No entanto, seus advogados alegaram que alguns dos juízes chegaram à sua decisão com base em um ponto legal que não tinha sido discutido no tribunal, impedindo a equipe de defesa de fazer uma contra-submissão.

O tribunal concordou em dar a Assange 14 dias para contestar a decisão e uma porta-voz disse nesta terça-feira que o recurso tinha sido apresentado.

“Não foi definido prazo para avaliar as evidências”, informou a porta-voz. “Estamos esperando que isso seja feito imediatamente.”

O ex-hacker ganhou destaque internacional em 2010 quando o WikiLeaks divulgou milhares de mensagens diplomáticas dos EUA sobre o Iraque e o Afeganistão, no maior vazamento de documentos sigilosos da história dos EUA.

Isso fez dele um herói para os ativistas anticensura, mas o governo norte-americano ficou furioso com a liberação de documentos sigilosos.

Promotores suecos querem questionar Assange sobre as acusações de estupro e agressão sexual feitas por duas ex-voluntárias do WikiLeaks na Suécia.

Ele nega qualquer irregularidade e tem lutado contra a extradição desde sua prisão na Grã-Bretanha em dezembro de 2010.

Seus advogados argumentam que o mandado de detenção europeu era inválido porque foi emitido por um promotor e não um juiz ou um tribunal, tal como exigido na Grã-Bretanha.

Os promotores dizem que diferentes procedimentos legais são permitidos sob o formato acordado internacionalmente.

Mesmo se ele perder o recurso na Grã-Bretanha, a Austrália pode levar seu caso ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, potencialmente segurando o processo de extradição por meses.

Reportagem de Michael Holden

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below