12 de Novembro de 2013 / às 15:02 / em 4 anos

Cidadãos da Europa e EUA são contra espionagem de aliados, aponta pesquisa

BRUXELAS, 12 Nov (Reuters) - Os europeus e os norte-americanos são amplamente contra que seus governos espionem seus próprios cidadãos e aqueles dos países aliados, mostra uma pequisa divulgada nesta terça-feira, o que reflete o descontentamento a respeito da vigilância revelada pelo ex-funcionário de inteligência dos Estados Unidos Edward Snowden.

Manifestante segura um aparato de espionagem falso durante protesto contra a Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA, na sigla em inglês), em Frankfurt. Os europeus e os norte-americanos são amplamente contra que seus governos espionem seus próprios cidadãos e aqueles dos países aliados, mostra uma pequisa divulgada nesta terça-feira, o que reflete o descontentamento a respeito da vigilância revelada pelo ex-funcionário de inteligência dos Estados Unidos Edward Snowden. 27/05/2013. REUTERS/ Kai Pfaffenbach

A oposição ao monitoramento do governo de telefones privados e dados de Internet foi mais forte na Alemanha, onde denúncias de Snowden causaram indignação e prejudicaram as relações ente Berlim e os EUA.

Setenta por cento dos alemães disseram que a segurança nacional não justifica a coleta de dado telefônicos e de Internet dos cidadãos alemães, de acordo com a pesquisa feita pelo German Marshall Fund para os Estado Unidos, um centro de pesquisa dedicado à promoção das relações entre a Europa e a América do Norte.

Vinte e cinco por cento dos alemães discordam.

Os alemães foram ainda mais hostis em relação ao governo coletar dados telefônicos e de Internet de pessoas em países aliados, com 72 por cento contra e 20 por cento a favor.

Cerca de mil pessoas foram entrevistadas em cada país no início de setembro, antes de uma nova onda de revolta na Europa, após o jornal britânico The Guardian publicar que os EUA monitaram as conversas telefônicas de 35 líderes mundiais.

A Alemanha convocou o embaixador dos EUA em outubro pela primeira vez na história para exigir explicações sobre as suspeitas de que Washington grampeou o telefone pessoal da chanceler Angela Merkel.

Nos EUA, 54 por cento das pessoas são contra a vigilância do governo sobre cidadãos norte-americanos, mas os EUA consideram a espionagem sobre cidadãos de países aliados de maneira mais ambígua, com 44 por cento contra e 33 por cento alegando que seria justificável.

Na Grã-Betranha, cuja agência de espionagem GCHQ supostamente cooperou de perto com a Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA, na sigla em inglês), 44 por cento dos pesquisados disseram que a vigilância do governo sobre cidadãos britânicos sob o pretexto de segurança nacional seria injustificável, ante 33 por cento que disseram ser justificável.

Quarenta e três por cento dos britânicos acham que a vigilância do governo sobre cidadãos de países aliados não se justifica, enquanto 30 por cento acredita que pode ser justificada.

Reportagem de Adrian Croft

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below