for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
marketsNews

Dólar amplia alta contra real acompanhando exterior após OMS declarar pandemia

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar ampliava a alta contra o real nesta quarta-feira, superando 4,70 reais depois de registrar a maior queda em seis meses na sessão anterior, acompanhando o menor apetite por risco no exterior após a Organização Mundial da Saúde caracterizar o coronavírus como uma pandemia.

10/09/2015 REUTERS/Ricardo Moraes

Às 14:23, o dólar avançava 1,27%, a 4,7049 reais na venda, e na máxima do dia tocou 4,71 reais. O dólar futuro de maior liquidez operava em alta de 1,14%, a 4,7075 reais.

Em todo o mundo, os investidores adotavam um tom mais cauteloso à medida que acompanhavam a rápida expansão do surto de coronavírus, principalmente depois que, nesta quarta-feira, a Organização Mundial da Saúde definiu a doença como uma pandemia.

O coronavírus já forçou vários governos e bancos centrais a anunciarem medidas de emergência para evitar que a doença leve a uma nova recessão econômica, mas ainda permanecem dúvidas sobre sua eficiência.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na terça-feira que pedirá ao Congresso um corte de impostos sobre salários e outros movimentos de estímulo “muito importantes”, mas detalhes ainda não estão claros.

Enquanto as autoridades norte-americanas procuram maneiras de lidar com o surto de coronavírus, o governo Trump está considerando cortar impostos, candidatos presidenciais democratas estão cancelando eventos e o governador do Estado de Nova York está dizendo que o governo federal “tropeçou no trabalho”.

“A discussão se volta agora para o cronograma de implementação desse pacote – quando e quanto será de fato implementado, e se outros países seguirão esses passos e aplicarão estímulos para apoiar a economia”, disse em nota a XP Investimentos.

No exterior a aversão a risco fortalecia iene japonês e franco suíço, dois ativos procurados em tempos de cautela financeira ou geopolítica.

Ao mesmo tempo, os principais pares do real -- peso mexicano, lira turca e rand sul-africano -- ampliavam as perdas contra o dólar, cedendo entre 0,7 e 1,7%. A falta de clareza das medidas de Trump colaboravam para esse movimento, segundo a Commcor DTVM, e o movimento contaminava a moeda brasileira.

No cenário doméstico, o Banco Central segue intervindo nos mercados de câmbio, mas deixou de ofertar dólar à vista, como havia feito na véspera. Nesta quarta-feira, a autarquia vendeu 20 mil contratos de swap tradicional com vencimentos em agosto, outubro e dezembro de 2020.

O BC, na véspera, vendeu 2 bilhões de dólares em moeda spot, o que ajudou a divisa norte-americana a cair 1,69%, a 4,6457 reais na venda, maior baixa diária desde 4 de setembro de 2019.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up